Advogados usam tom emocional e citam Carminha e Chico Buarque em julgamento

No quarto dia do julgamento do mensalão no STF, segundo destinado às defesas dos réus, houve citações à novela 'Avenida Brasil', a música do cantor e a dramas pessoas dos réus

iG São Paulo | - Atualizada às

O quarto dia de julgamento do mensalão no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) foi marcado pelo tom muitas vezes emocional das defesas dos réus, além de curiosas citações a personagens de novela e a uma música do cantor e compositor Chico Buarque. Nesta terça-feira (7), falaram os defensores de mais cinco réus do processo: Cristiano paz, ex-sócio de Marcos Valério, foi representado por Castellar Modesto Guimarães Filho; Rogério Tolentino, outro ex-sócio do publicitário, foi defendido por Paulo Sérgio Abreu e Silva; Simone Vasconcelos, ex-diretora administrativa da SMP&B, foi defendida por Leonardo Yarochewsky; Geiza Dias, também ex-funcionária da SMP&B, também foi representada por Abreu e Silva; e, por fim, Kátia Rabello, ex-presidenta do Banco Rural, contou com a defesa do advogado José Carlos Dias.

Leia mais: Advogados tentam afastar réus do 'núcleo publicitário'

Leia também: Quem são os 38 acusados e a quais crime respondem

Na segunda: Advogados negam mensalão, mas admitem esquema de caixa 2 eleitoral

Durante a sessão do STF, chamaram a atenção algumas citações curiosas do advogado de Simone Vasconcelos. Yarochewsky arrancou risos das pessoas presentes ao plenário quando citou as duas protagonistas da novela “Avenida Brasil”, sucesso da TV Globo no horário nobre, para desqualificar a acusação da Procuradoria Geral da República de que sua cliente era integrante de uma “quadrilha”. “Virou moda, é bonito falar de bando ou quadrilha. Até na novela das oito, a Carminha falou que ia processar a Nina por formação de quadrilha”, afirmou o advogado.

Saiba mais: Otimistas, PT, Lula e Dilma fazem pacto de silêncio sobre mensalão

'No jogo': Interesse do STF nas defesas anima advogados de réus do mensalão

Beto Barata/Agência Estado
O advogado Castellar Modesto Guimarães Filho, que defendeu Cristiano Paz, foi o primeiro a falar nesta terça-feira

Para ilustrar suas críticas à denúncia do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, o advogado de Simone Vasconcelos citou uma música de Chico Buarque para defender sua cliente, “Apesar de Você”. Alfinetando Gurgel, que ao final da leitura da síntese das acusações aos réus, na última sexta-feira, citou trecho de outra canção de Chico, “Vai Passar”. ““Apesar de você, amanhã há de ser outro dia”, provocou Yarochewsky em alusão ao procurador-geral.

Procurado pela reportagem do iG , Chico Buarque, por meio de sua assessoria, disse que "não está disponível para entrevistas e declarações no momento". 

Injustiças e abandono familiar

Ainda na sustentação oral da defesa de Simone Vasconcelos, Leonardo Yarochewsky apelou ao tom emocional para tentar convencer os ministros da inocência de sua cliente. "Este advogado não sabe o que se passa entre o cérebro e o coração de Vossas Excelências, que vão decidir sobre o futuro de uma mulher que teve sua vida devassada", disse.

Leia mais: Advogado de ex-presidenta do Banco Rural nega empréstimos 'fictícios'

Leia também: Saída da ministra Cármen Lúcia abre precedente, diz OAB

O apelo de caráter emocional também esteve presente no pronunciamento de outros advogados na sessão desta terça-feira. Ao defender Geiza Dias, ex-gerente interna da SMP&B, Paulo Sérgio Abreu e Silva chegou a dizer que sua cliente era uma “funcionária mequetrefe, de terceiro ou quarto escalão” na empresa. Trabalhava no setor financeiro e era uma batedeira de cheque”, afirmou. Ele fez dobradinha com Yarochewsky, que já havia usado o mesmo discurso para defender Simone Vasconcelos, e disse que Geiza trabalhava em um “porão” da empresa, bem distante de onde ficavam os responsáveis pelas decisões.

Saiba mais: Interesse do STF nas defesas anima advogados dos réus do mensalão

Especial iG: Leia tudo sobre o maior julgamento da história do STF

O defensor afirmou ainda que Geiza é uma "moça pobre, honesta, trabalhadora, que estudou com dificuldade". "Aí eu fico pensando, Excelência. À época da denúncia, a Procuradoria não teve sensibilidade para oferecer essa denúncia. Geiza era uma batedeira de cheque, não lucrou nada, nada teve, não teve apoio de PT. Nada, não tinha nada. Por que ela ia se meter nessa aventura? A falta de sensibilidade de quem fez a denúncia é muito grande", criticou.

Abreu e Silva lembrou que a acusada foi abandonada pela família. “Eu lamento fazer essas críticas, falar coisas de ex-colegas... Mas não tem jeito: são vidas que estão em jogo! Essa moça foi escorraçada pela família por ter se envolvido com o tal de mensalão. Ela teve que mudar de Belo Horizonte porque os familiares dela não admitiam a presença dela. A mancha é muito grande”, disse. O advogado da ex-funcionária da SMP&B ainda qualificou o relatório da Procuradoria Geral da República de “monstrengo jurídico”.

José Carlos Dias, advogado de Kátia Rabello, ex-presidenta do Banco Rural, também fez questão de mostrar aos ministros do STF o quanto sua cliente vem sofrendo com as acusações da Procuradoria Geral da República. “Vou fazer a defesa de uma mulher injustiçada”, afirmou no início de sua explanação.

Currículo

A sessão de julgamento do mensalão começou com a defesa de Cristiano de Mello Paz, ex-sócio de Marcos Valério na agência SMP&B, empresa apontada como central no repasse de dinheiro do esquema. O advogado Castellar Modesto Guimarães Filho afirmou que seu cliente cuidava exclusivamente da parte de criação na agência de publicidade SMP&B, empresa de Marcos Valério da qual foi sócio - estratégia semelhante à utilizada pelo advogado de Ramon Hollerbach na segunda-feira.

O curioso é que, para ilustrar o volume de tarefas de Cristiano que supostamente o impossibilitaria ter tempo para exercer outras funções, o advogado destacou a trajetória profissional do publicitário e depoimentos que exaltavam sua excelência na atividade. De acordo com o advogado, Cristiano Paz era “um homem voltado à criação por natureza, razão de sua paixão pelo trabalho que desenvolve desde os seus 17 anos". Além disso, Guimarães Filho citou depoimentos do marqueteiro Duda Mendonça e do jornalista Alvaro Teixeira da Costa elogiando a qualidade profissional do acusado.

Em seguida, foi a vez do defensor de Rogério Tolentino - considerado pela acusação o integrante do "núcleo publicitário" mais próximo do Banco Rural. Paulo Sérgio Abreu e Silva também tentou descolar a imagem de seu cliente do publicitário Marcos Valério. Ele disse que Tolentino "nunca foi sócio, dirigente ou gestor das empresas de Marcos Valério" e que, portanto, a acusação de corrupção ativa que pesa contra ele não encontra substância. Ele também criticou a denúncia da Procuradoria Geral da República, que, segundo ele, é um "roteiro digno de novela das oito".

Abreu e Silva chegou a afirmar que o procurador Roberto Gurgel teve "preguiça mental" de ler os laudos periciais da defesa. "Não é possível. O relator determinou, ele mesmo, laudos em cima dos pedidos da defesa, com o maior cuidado e a maior lisura. O Ministério Público, não."

Veja a cronologia do escândalo do mensalão:


    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG