Advogado de Jefferson ainda vai tentar incluir Lula entre os réus do mensalão

Luiz Francisco Corrêa Barbosa vai aproveitar a brecha aberta por Thomaz Bastos que obrigou o STF a retomar uma discussão já rejeitada pelos ministros

Ricardo Galhardo - enviado do iG a Brasília | - Atualizada às

O advogado Luiz Francisco Corrêa Barbosa, que representa o ex-deputado Roberto Jefferson no processo do mensalão, vai aproveitar a brecha aberta pela apreciação do pedido de desmembramento do caso para tentar novamente incluir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entre os réus do processo.

Leia também: Thomaz Bastos sofre primeira derrota e atrasa mensalão já no primeiro dia

Minuto a minuto: Veja como foi o primeiro dia de julgamento do mensalão

Desmembramento: Decisão contrária do STF vira exemplo para outra ações

Réus do mensalão: Quem são os 38 acusados e a que crime respondem

“A decisão de não acatar a questão de ordem já era esperada, mas foi importante na medida em que o relator, ministro Lewandowski, deferiu a apreciação. Ele abriu um precedente para que várias outras coisas que já foram apreciadas voltem”, disse Barbosa.

AE
Delator e réu do mensalão, Roberto Jefferson passa por tratamento contra um câncer

Lewandowski aceitou hoje a questão de ordem proposta pelo advogado Marcio Thomaz Bastos para que os réus que não têm foro especial respondam na primeira instância. O Supremo Tribunal Federal já havia julgado quatro outros pedidos semelhantes no caso do mensalão. A demanda de Thomaz Bastos foi rejeitada por 9 votos a 2 mas, segundo Barbosa, abriu o precedente.

O advogado de Jefferson já tentou outras duas vezes incluir Lula no rol de réus do mensalão. Ele argumenta que o ex-presidente foi o maior beneficiário do suposto esquema de compra de votos no Congresso. Ambas tentativas foram rejeitadas pelo STF.

De acordo com Barbosa, não existe contradição entre sua posição e a de Jefferson que, em entrevista à Folha de S.Paulo voltou a dizer que Lula não teve participação no esquema.

“Apurei junto à Casa Civil quais providências foram tomadas pelo ex-presidente. A resposta foi: nenhuma”, afirmou o advogado.

Segundo Barbosa, Jefferson, que está hospitalizado no Rio de Janeiro, foi impedido pelos médicos de falar. Por isso o ex-deputado tem se comunicado através de mensagens via celular. Em uma troca de torpedos Jefferson demonstra estar animado apesar do diagnóstico de câncer e combina um jantar regado a vinho com o advogado assim que receber alta.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG