Procurador-geral não vai pedir impedimento do ministro Dias Toffoli

Roberto Gurgel justificou a decisão dizendo que a medida poderia provocar a suspensão do julgamento e até a inviabilização do mesmo

Wilson Lima - iG Brasília | - Atualizada às

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou ao final do primeiro dia do julgamento do mensalão que não vai pedir o impedimento do ministro Dias Toffoli. Toffoli é apontado como supostamente impedido de participar do julgamento do mensalão porque foi advogado do PT, em seguida, advogado-geral da União e ainda sua namorada participou da defesa de um réus no processo.

Leia mais:  Voto de Toffoli e silêncio de Gurgel indicam que ministro fica no julgamento

Defesa: Thomaz Bastos sofre primeira derrota e atrasa mensalão no primeiro dia

Agência Brasil
Gurgel acredita que pedido de impedimento provocaria a suspensão e até a inviabilização do julgamento


Segundo Gurgel, a decisão foi pragmática. Ele acredita que um eventual pedido de impedimento de Toffoli provocaria a suspensão e até a inviabilização do julgamento. “Analisei cuidadosamente todas as circunstâncias do caso e achei que não deveria o Ministério Público tomar uma iniciativa que iria provocar, necessariamente, a suspensão do julgamento. E talvez até a inviabilização da realização do julgamento, pelo menos no horizonte de tempo”, disse Gurgel.

Especial iG: Saiba tudo sobre o julgamento do mensalão no STF

Discussão: Julgamento do mensalão começa com atrito entre ministros

Ele ainda complementou. “Como ficou evidenciado nessa sessão inicial, a defesa se esforça para protelar o julgamento e o que parece e o que não pode o Ministério Público contribuir de forma pra que isso aconteça. Pelo contrário, o MP tem que se esforçar, tem que atuar, no sentido de que o julgamento se inicie efetivamente, mais rapidamente possível e também no menor tempo possível”.

Twitter: #ConfioNoSTF é um dos assuntos mais comentados na rede social

Até o início do julgamento, o procurador-geral pretendia pedir o impedimento do ministro Dias Toffoli. No entanto, esse pedido deveria ser aprovado pelo pleno do Supremo. Toffoli, desde o início do julgamento, demonstrou que tem a intenção de participar de todo o julgamento. Ele inclusive já tem um voto pronto, finalizado no período de férias do judiciário.

Infográfico: Veja como será o julgamento do mensalão no STF

Banco dos Réus: Quem são os 38 réus do mensalão e a que crime respondem

Apesar da vontade da Procuradoria de pedir o impedimento de Toffoli, a tendência era que os demais ministros não acompanhassem a decisão do procurador Roberto Gurgel. Dessa forma, Toffoli participaria de qualquer maneira do julgamento muito embora sob o constrangimento de toda a corte.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG