Discurso de Lewandowski no STF vira motivo de piada no Twitter

Durante julgamento do mensalão, ministro se alongou na defesa à tese do advogado Márcio Thomaz Bastos de desmembramento

iG São Paulo | - Atualizada às

O ministro revisor do processo Ricardo Lewandowski virou motivo de piada no Twitter após seu longo discurso de defesa à tese do advogado e ex-ministro de Justiça Márcio Thomaz Bastos , que representa o réu José Roberto Salgado, ex-executivo do Banco Rural, para o desmembramento do julgamento do mensalão . A hashtag #Lewandowski permanece nos trends do Brasil, assuntos mais comentados pelos usuários da rede social.

Entenda:  Thomaz Bastos defende desmembramento do julgamento do mensalão

Na rede social, usuários ironizaram a demora de Lewandowski em seu discurso de voto sobre a questão de ordem levantada por Bastos. "Lewandowski foi avisado antes que a questão de ordem seria levantada? Deve ter sido há umas duas semanas atrás. Cumpre script", opiniou o usuário @CarlosLinneu. "Se Lewandowski não terminar logo, vou ter que mudar de canal. Tá começando Monstros S/A na Globo", disse outro twitteiro.  

Lembrando do episódio do prêmio VMA 2009, no qual o rapper Kanye West interrompeu o discurso da cantora Taylor Swift após ser premiada, um internauta brincou; "Um sonho: que o Kanye West aparecesse agora no STF, roubasse o microfone do ministro Lewandowski e mandasse "Imma let you finish, but...".

Números: Processo do mensalão bate todos os recordes do STF

Banca dos Réus: Quem são os 38 réus do mensalão e a que crime respondem

Já outros internautas, caçoaram do vocabulário prolixo utilizado pelo revisor. "Lewandowski não pede café: pede infusão feita com o fruto seco da rubiácea", brincou a usuária @FalaSerioXuxu. 

Durante a explanação de Lewandowski, os demais ministros chegaram a ficam incomodados."Eu peço para a Vossa Excelência para resumir o voto, se possível”, afirmou o presidente do STF, ministro Ayres Britto.

Infográfico: Veja como será o julgamento do mensalão no STF

O Ministro Gilmar Mendes se retirou do plenário temporariamente, outros ministros também mostram-se visivelmente desconfortáveis com o extenso voto. Cármen Lúcia e Luiz Fux, por exemplo, consultaram várias vezes o Código Penal durante o julgamento, comportamento não habitual em outros julgamentos do Supremo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG