Procurador da República não descarta pedir impedimento de Toffoli no mensalão

Roberto Gurgel, responsável pela acusação contra os 38 réus, diz que vai decidir sobre pedido até o início do julgamento amanhã; ministro foi advogado do PT e da União

Wilson Lima - iG Brasília | - Atualizada às

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou nesta quarta-feira que vai decidir até o início do julgamento do mensalão se vai pedir o impedimento do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli.

Leia mais: Delúbio agora também é réu por lavagem de dinheiro

Simone Vasconcelos: Acusada de sacar dinheiro trabalha hoje em empresa de minivans

Cronologia do mensalão: Relembre os fatos do maior escândalo do governo Lula

Mensalão: Quem são os 38 réus e a que crime respondem

Em números: Processo do mensalão bate todos os recordes do STF

Agência STF
Dias Toffoli pode ser impedido de julgar o mensalão

Toffoli é apontado como impedido por ter sido integrante da Advocacia Geral da União (AGU). Indicado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele assumiu a vaga no STF em 2009.

Há aproximadamente dois meses, Gurgel estuda a possibilidade de pedir o impedimento do ministro, que também já foi advogado do PT. Segundo ele, estão sendo analisadas questões como um eventual constrangimento da Corte com a participação de Toffoli.

Advogados: Um em cada quatro réus do mensalão alega cerceamento de defesa

Infográficos: Veja como será o julgamento do mensalão

O ministro do STF, no entanto, diz a interlocutores que vai participar do julgamento. Seu voto está pronto e tem aproximadamente 500 páginas. Também existem ministros que defendem a participação de Dias Toffoli durante o julgamento justamente para mostrar que o STF não se curvaria a pressões internas.

Leia também: Defesa de Dirceu acusa Jefferson de inventar mensalão

As brechas jurídicas que podem salvar os réus do mensalão

Leia mais: Defesa de Valério vai admitir caixa 2 e acusar delator de inventar mensalão

Mesmo que o procurador peça o impedimento de Toffoli, isso não significa que o ministro estará proibido de participar do julgamento. O pedido precisa ser aprovado pelo pleno da Corte, caso o ministro, alvo do pedido da Procuradoria, não acate o Ministério Público. Essa questão seria uma das primeiras questões de ordem enfrentadas pelo Supremo, no início do julgamento do mensalão amanhã.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG