Início de julgamento deve levar mensalão a debate entre candidatos em São Paulo

Início da análise do caso pelo Supremo Tribunal Federal (STF), programado para a próxima quinta-feira, deve ser explorado pelos postulantes à Prefeitura da capital em encontro na TV

Agência Estado |

Agência Estado

O julgamento do mensalão , que começa nesta quinta-feira (2) no Supremo Tribunal Federal (STF), deve entrar na pauta dos candidatos a prefeito de São Paulo por questão de data. O primeiro debate na TV entre eles ocorrerá às 21h30, na TV Bandeirantes, apenas duas horas e meia após a previsão de término do primeiro dia de sessões no STF sobre o caso.

Os líderes nas pesquisas de intenção de voto, José Serra (PSDB) e Celso Russomanno (PRB), dizem oficialmente que não pretendem levar o assunto ao encontro. O petista Fernando Haddad , porém, já prepara argumentos a fim de se defender de eventuais questionamentos sobre o tema, já que o caso surgiu durante a gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva , padrinho político de Haddad.

Saiba tudo: Veja o que fazem e por onde andam os réus do mensalão

Leia mais: Acusada de sacar dinheiro do mensalão trabalha em empresa de minivans

AE
O petista Fernando Haddad já se prepara para responder sobre o mensalão, que atingiu governo do ex-presidente Lula: tema deve aparecer em debate

Caso seja provocado, Haddad argumentará que os governos Lula e da presidenta Dilma Rousseff valorizam a democracia, que o caso é uma prova de que as instituições funcionam no País e que o STF dará a palavra final.

A equipe do petista avalia que um ataque pode partir do candidato Carlos Giannazi (PSOL) ou de um dos quatro jornalistas da Band, no terceiro bloco do debate, quando farão perguntas diretas aos postulantes ao cargo.

Especial iG: Quem foi o pior prefeito de São Paulo? Opine e veja resultado parcial

Leia também: Empresa de Russomanno tem bens bloqueados pela Justiça

"Logicamente esse tema vai entrar, não só o mensalão, mas a corrupção e outros escândalos", disse Giannazi. "Aí vou cobrar do PT o mensalão, a CPI do Cachoeira, o mensalão do DEM, o mensalinho mineiro do PSDB, a privataria tucana do Serra, as máfias da Prefeitura de São Paulo", acrescentou. "Vou tentar mostrar esse conjunto de denúncias e casos de corrupção que envolvem quase todos os partidos. Vai sobrar pra todo mundo, menos pro PSOL", completou.

Especial iG: Fique por dentro de tudo sobre as eleições municipais de 2012

Para Serra e Russomanno, que estão empatados na liderança, segundo a mais recente pesquisa Datafolha, não é interessante veicular as críticas sobre o escândalo da gestão Lula. Como líderes, a estratégia é debater propostas para a cidade e evitar críticas.

Serra também não quer polarizar com Haddad, de modo a não dar visibilidade para o candidato, que precisa de exposição para se tornar mais conhecido entre o eleitor. Os tucanos também avaliam que, se explorarem o assunto, o eleitor pode achar que o mensalão é questão de briga política entre partidos.

Russomanno seguiu a mesma linha: "Vamos discutir os problemas de São Paulo. O povo quer saber como vamos resolver os problemas e melhorar a qualidade de vida das pessoas".

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG