Ex-mulher de Cachoeira entra com habeas corpus para ficar calada na CPI

Andréa Aprígio impetrou pedido nesta terça-feira para que possa ficar em silêncio em depoimento no dia 8 de agosto; além dela, outro depoente fez solicitação semelhante

Agência Senado |

Agência Senado

Mais três depoentes podem ficar calados nas reuniões da CPI do Cachoeira marcadas para a próxima semana, entre eles a ex-mulher do principal investigado. Andréa Aprígio impetrou nesta terça-feira (31) habeas corpus com pedido de liminar para garantir o direito ao silêncio durante o depoimento, marcado para 8 de agosto. Além dela, há um depoente com pedido semelhante e outro com decisão favorável do Supremo Tribunal Federal (STF).

Leia mais: Mulher de Cachoeira paga fiança de R$ 100 mil

Leia também: Márcio Thomaz Bastos deixa defesa de Cachoeira

Apontado como contador da organização criminosa do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira , Rubmaier Ferreira de Carvalho também entrou com pedido de habeas corpus. O contador é suspeito de ser o responsável pela abertura de empresas que seriam usadas como fachada por Cachoeira para lavar dinheiro e quer exercer o direito constitucional de permanecer em silêncio durante o depoimento, também previsto para o dia 8.

Saiba mais: Russomanno diz autorizar quebra de sigilo após ser citado em grampos

Repercussão: PPS pede convocação de Russomanno pela CPI do Cachoeira

Como a corte está em recesso, os pedidos foram conclusos à presidência, mas poderão ser apreciados a partir desta quarta-feira (1º), quando o STF volta a funcionar normalmente.

Outro depoente convocado para a próxima semana, o policial federal aposentado Joaquim Gomes Thomé Neto, já garantiu o direito de não falar para não se autoincriminar na CPI. Considerado um dos arapongas do grupo, ele já havia sido convocado no início de julho, quando conseguiu a decisão favorável, mas apresentou atestado médico à comissão. O depoimento dele está marcado para o dia 7.

Especial iG: Acompanhe as últimas notícias sobre a CPI do Cachoeira

Outros depoentes

Até agora, não foi impetrado pedido por parte da atual mulher de Cachoeira, Andressa Mendonça , convocada para falar no dia 7. Andressa deve ser questionada sobre a acusação de tentar chantagear o juiz federal Alderico Rocha Santos, da 11ª Vara Federal de Goiânia. Segundo o magistrado, ela teria tentado obter decisão favorável ao marido de divulgar um dossiê com informações e fotos dele com políticos e empresários.

Outro convocado para a próxima semana que não recorreu ao STF foi Adriano Aprígio de Souza, ex-cunhado de Cachoeira, que deve falar no dia 8. Adriano foi preso no dia 6 de julho, suspeito de ameaçar por e-mail a procuradora Léa Batista de Oliveira, uma das responsáveis por denunciar pessoas ligadas à organização na Operação Monte Carlo. Adriano foi solto na última semana, após pagamento de fiança.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG