Haddad evita politizar campanha ao comentar mensalão

Questionado sobre julgamento, petista respondeu afirmando que, apesar de discussão do mensalão interessar, agora é o momento de debater valores dos candidatos em SP

Agência Estado | - Atualizada às

Agência Estado

Às vésperas do primeiro debate eleitoral, programado para a quinta-feira, o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad , evitou falar, na tarde deste domingo, em "politização" da campanha em razão do início do julgamento do " mensalão " nesta semana.

Saiba mais: Veja o especial do iG sobre o mensalão

AE
O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, fez no sábado carreata pelas regiões de Cidade Dutra e Grajaú em São Paulo ao lado de sua mulher, Ana Estela (28/07)

Banco dos réus: Quem são os 38 do mensalão e a que crime respondem

Haddad cumpriu neste domingo compromisso de campanha ao participar das comemorações do Dia do Motorista, organizado pelo sindicato da categoria. Pressionado por jornalistas, o candidato petista foi evasivo quando indagado sobre o impacto do julgamento do mensalão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que terá início na quinta, 2 de agosto.

Sobre possíveis efeitos negativos do julgamento à sua candidatura, Haddad despistou, afirmando que a população ficará atenta às propostas para a cidade que cada candidato apresentará na campanha.

"A população está esperançosa em resolver seus problemas", disse o petista. "Obviamente que toda a discussão (do mensalão) interessa, mas precisamos usar o momento eleitoral para discutir a biografia e os valores de cada candidato."

Especial iG: Leia as notícias sobre as eleições municipais em todo o País

Haddad circulou pelo local do evento durante aproximadamente 40 minutos, cumprimentou os participantes do festejo, atraindo a atenção por estar acompanhado por um grupo de jornalistas, fotógrafos e cinegrafistas.

Ao conversar com a imprensa, o ex-ministro da Educação destacou que o que está em jogo neste momento é saber o que cada candidato já fez por São Paulo, pelo Estado e pelo Brasil.

"Temos de dividir o nosso exíguo tempo na apresentação das propostas para que os paulistanos saibam o que cada um já fez e fará pela cidade, e o conjunto de apoio para o plano de governo", afirmou. "Há uma ansiedade do paulistano em saber qual rumo vamos dar a São Paulo. Ninguém está satisfeito com a cidade, da forma como vem sendo administrada. Vamos apresentar uma plataforma consistente de mudança."

Indicado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato à Prefeitura de São Paulo, Haddad ainda conta com pouca visibilidade entre os eleitores, e o PT aposta na exposição televisiva para que o candidato cresça nas pesquisas de intenção de voto.

Intenção de voto: Baixo desempenho nas pesquisas atrapalha arrecadação de Haddad

Segundo ele, o debate será o "primeiro momento de grande visibilidade dos candidatos". "Para nós, é uma alegria apresentar nosso plano de governo, de forma gradual. Não vamos apresentar tudo em apenas um debate, mas é um bom momento para começar", afirmou.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG