Revista britânica afirma em matéria intitulada 'Justiça Atrasada' que caso ter chegado ao Supremo já é um progresso

BBC

A revista britânica The Economist diz, em sua edição desta semana, que o julgamento do escândalo do mensalão é um sinal de que o Brasil está fazendo avanços na luta contra sua "cultura de impunidade dos poderosos".

Banco dos réus: Quem são os 38 do mensalão e a que crime respondem

Mensalão: o mais longo julgamento da história do STF

Em números: Processo do mensalão bate todos os recordes do STF

José Dirceu foi apontado como um dos líderes do esquema do mensalão. Teve seus direitos políticos cassados e esta inelegível até 2015
AE
José Dirceu foi apontado como um dos líderes do esquema do mensalão. Teve seus direitos políticos cassados e esta inelegível até 2015


O Supremo Tribunal Federal (STF) começará a julgar o caso no dia 2 de agosto . "Que o caso do 'mensalão' tenha pelo menos chegado ao tribunal é um progresso: a prisão de políticos corruptos (no Brasil) pode ainda ser improvável, mas não é mais impensável", afirma a Economist .

Citando o retorno de Fernando Collor ao Senado após o impeachment de 1992 e a eleição de Paulo Maluf para o Congresso, a matéria, intitulada "Justiça Atrasada", ressalta que uma má reputação nunca foi impedimento para que políticos desonestos continuassem a avançar em sua carreira política no Brasil.

Leia mais: Advogado de Valério tentará adiar julgamento do mensalão

Delúbio Soares: “Comprar votos de deputados não é lutar pela democracia”

Revista cita senador Fernando Collor como exemplo de que má reputação não prejudica carreira política no Brasil
Agência Câmara
Revista cita senador Fernando Collor como exemplo de que má reputação não prejudica carreira política no Brasil

Ela menciona que é preciso o aval do Congresso para investigar parlamentares e ministros e que só o Supremo pode julgá-los. Também defende que reformas "ambiciosas" são necessárias para que o Brasil possa lidar com a questão da impunidade em um futuro próximo, mas sublinha avanços recentes na área.

Segundo a Economist "uma maior transparência sobre os gastos públicos" está dificultando o roubo de recursos do tesouro" no Brasil. A matéria diz que agora "órgãos reguladores fortes" podem suspender projetos aprovados pelo governo, se eles suspeitarem que os orçamentos foram inflados, mas faz a ressalva de que o esquema pode ser driblado em situações classificadas como urgentes, "como a construção de estádios para a Copa de 2014 ".

Estratégia da defesa: Réus do mensalão usam brecha que livrou Collor

Advogados: Um em cada quatro réus do mensalão alega cerceamento de defesa

Infográficos: Veja como será o julgamento do mensalão

Outra mudança mencionada pela publicação é a entrada em vigência da Lei de Acesso à Informação , que amplia a transparência nos gastos públicos. A Economist cita o analista João Castro Neves, da consultoria Eurasia Group, para quem, hoje, para ser corrupto no Brasil "é preciso ser mais criativo" do que há dez ou 15 anos.

Mensalão: Advogados pedem para adiar julgamento

Para a revista, a presidenta Dilma Rousseff não deve ser atingida pelo julgamento do mensalão porque nenhum dos acusados é próximo a ela e porque, ao derrubar ministros acusados de corrupção no início de seu mandato , Dilma reduziu o risco de ser atingida "por associação".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.