Russomanno diz que não fará ataques pessoais e evitará temas religiosos

Candidato do PRB afirmou que encontro entre Marcos Pereira, presidente nacional do partido, e José Serra (PSDB) surgiu da preocupação com ofensas na campanha

Rafael Romer - iG São Paulo | - Atualizada às

O candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno , reafirmou ao iG nesta terça-feira (24) o desejo de evitar conflitos pessoais e religiosos com seus adversários durante as eleições municipais deste ano. "Eu não vou levar essa eleição para os ataques pessoais, não vou levar para a questão religiosa", disse. 

Leia mais: Russomanno minimiza bom resultado em pesquisa e defende 'pé no chão'

Leia também: 'Serra não precisa de muleta', diz tucano em indireta a Haddad

Mais eleição: No Twitter, Soninha brinca e diz que sonhou com candidato do PT

A religião tem permeado parte do debate político sobre a candidatura de Russomanno e os laços entre o PRB e a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). A legenda é tida por muitos como o braço político da entidade pentecostal e possui diversos membros no partido, como o presidente nacional da legenda, Marcos Pereira.

Especial iG: Saiba tudo sobre as eleições municipais de 2012

Eleição em São Paulo: Leia o noticiário sobre o pleito nas cidades paulistas

Russomanno também desmentiu que na reunião entre Marcos Pereira e o candidato tucano José Serra , na casa do prefeito Gilberto Kassab (PSD), na última sexta-feira (20), tenha sido discutido um acordo de não agressão entre as duas coligações. "O que existe é a preocupação em relação a ataques pessoais", explicou.

Futura Press
Celso Russomanno garantiu que evitará temas religiosos na campanha; PRB é ligado à Igreja Universal

Ainda assim, o candidato do PRB afirmou que apontará os problemas da cidade durante a campanha e aproveitou para criticar a atual gestão municipal. "As próprias pesquisas apontam que há uma insatisfação em relação ao governo do Kassab, como educação sem qualidade, transporte coletivo, falta de mobilidade urbana. Nós temos um problema sério de segurança pública em que a Prefeitura não está presente na vida do cidadão", afirmou. "Mas não vou atacar as pessoas, isso não constrói a eleição."

Sobre o suposto acordo de apoio de Serra à sua candidatura em um possível segundo turno, o candidato afirmou: "Nós estamos conversando, eu quero apoio de todos, de todo mundo". Quando questionado se apoiaria Serra caso este fosse ao segundo turno, disse: "Na minha visão, nós é que vamos para o segundo turno."

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG