Em Minas, PT vai à Justiça para tomar cargo de prefeito que deixou o partido

Ação judicial da legenda atinge Anderson Cabido, prefeito de Congonhas (MG), que deixou o partido; ele foi coordenador da campanha de Dilma na região central do estado em 2010

Agência Estado |

Agência Estado

O PT entrou com ação na Justiça Eleitoral para tomar o cargo do prefeito de Congonhas (MG), Anderson Cabido, que deixou o partido. Coordenador da campanha da então candidata Dilma Rousseff à Presidência na região central de Minas Gerais em 2010, Cabido, que está sem legenda, é contrário à indicação da petista Wanessa Manso para a sucessão municipal e declarou apoio ao candidato do PSDB, José Cordeiro de Freitas, seu vice nos dois mandatos.

Leia mais: Marqueteiro de Lula assume campanha de Patrus em Belo Horizonte

Leia também: Minas pode ser primeiro estado a acabar com 'mandato tampão'

Na ação, o partido acusa Cabido de ter obrigado funcionários da prefeitura a tomar a mesma atitude. "Além da atitude antidemocrática do requerido ao abandonar o partido que o elegeu por dois mandatos, ainda coagiu outros militantes do partido a fazê-lo", diz o texto, referindo-se a 36 militantes que, junto com o prefeito, pediram a desfiliação no último dia 20. A maior parte, segundo o PT, ocupa cargos comissionados no Executivo.

Eleição em BH: Capital mineira vira palco de disputa entre Dilma e Aécio

PSD: 'Tempo dirá quem acertou', diz Kassab sobre intervenção em BH

O prefeito havia indicado para a disputa a secretária municipal de Educação, Rosane Moreira, mas o PT abriu possibilidade de candidatura a todos os filiados, quatro se inscreveram e, por meio de votação em dois turnos, Wanessa foi escolhida. Inconformado, Cabido anunciou em duas rádios da cidade a desfiliação do PT, que alegou "surpresa e decepção" com o ato e pediu à Justiça a decretação de perda do cargo "em decorrência de desfiliação partidária sem justa causa".

Leia todas as notícias sobre as eleições municipais nas cidades mineiras

"Antes do pleito eleitoral de 2004, (Cabido) era mero desconhecido na seara política de Congonhas, mas com o prestígio do PT e apoio incondicional dos seus filiados foi eleito por dois mandatos consecutivos", diz a ação. "O Diretório Municipal esperava que o requerido viesse a acatar a decisão do partido que o elegera para que pudesse haver a continuidade do governo do PT", acrescenta o texto, que ainda acusa o prefeito de "discriminar servidores municipais" ainda filiados ao PT e de "exonerá-los sem qualquer motivo".

Por escolha do partido, Cabido foi o responsável por organizar na região - onde há operações de algumas das maiores mineradoras do País - as viagens de Dilma Rousseff na corrida presidencial de 2010, assim como atos a favor do então candidato Hélio Costa (PMDB), que disputava o Executivo mineiro com apoio do governo federal. O Estado tentou falar com o prefeito ontem (24), mas ele não atendeu o celular. A Justiça deu prazo de cinco dias para ele se manifestar.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG