Líder do PSDB diz que posição da OEA sobre Paraguai prova que Brasil errou

Bruno Araújo (PE) afirmou que situação do País é 'constrangedora' após a manifestação da Organização dos Estados Americanos contra suspensão do Paraguai do Mercosul

Valor Online |

Valor Online

O líder do PSDB na Câmara, deputado Bruno Araújo (PE), afirmou nesta segunda-feira (23) que a posição do Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) c ontra a suspensão do Paraguai do Mercosul causa "constrangimento" ao Brasil. Para o parlamentar, o posicionamento da OEA mostra que o governo brasileiro errou ao defender a exclusão do país vizinho do bloco econômico.

Leia mais: Tribunal do Mercosul nega recurso, e Paraguai diz que decisão é inaceitável

Leia também: Secretário-geral da OEA rejeita retaliações ao Paraguai

AP
O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, e a presidenta Dilma Rousseff em Mendoza (29/6)

Araújo defende também que a política externa brasileira "está contaminada por uma vertente ideológica". "A decisão da OEA traz desconforto desnecessário ao Brasil, que poderia ser evitado caso a política externa do PT não adotasse viés ideológico", disse, em nota, o líder tucano. "Estamos vendo uma verdadeira partidarização das nossas relações com outras nações, o que compromete a credibilidade do país".

Crise no Paraguai: Leia todas as notícias sobre o imbróglio político no país vizinho

Na última sexta-feira (20), o Conselho Permanente da OEA se mostrou contrário à exclusão do Paraguai do Mercosul e apoiou o envio de missão de apoio ao país vizinho. O líder do PSDB defendeu a imediata reintegração do Paraguai ao grupo e disse que a decisão de expulsar a nação foi tomada "com clara intenção de incorporar a Venezuela no bloco econômico".

Araújo também criticou a interferência do ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, na política externa brasileira. "Não cabe ao secretário defender ação contra o Paraguai", disse o tucano em referência à defesa por parte de Carvalho de uma "ação forte" em represália à destituição do ex-presidente paraguaio Fernando Lugo. 

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG