'Queria ganhar o que ganha o Datena', diz Timóteo sobre salário de vereador

Em entrevista exclusiva ao iG, o cantor que tenta o terceiro mandato na Câmara diz que R$ 10 mil por mês não é nada, justifica apoio a Serra, elogia Maluf e Lula, e critica Erundina

Fábio Matos - iG São Paulo |

É em seu gabinete na Câmara Municipal de São Paulo, na sala 709, no 7º andar, que o cantor, vereador e candidato à reeleição para um terceiro mandato Agnaldo Timóteo (PR), de 75 anos, recebe a reportagem do iG para uma conversa franca sobre os mais diversos temas da política nacional. A entrevista aconteceu na manhã desta terça-feira (17), pouco depois da chegada de Timóteo ao gabinete. Sobre a mesa, um jornal, o telefone – que quase não parou de tocar -, o retrato da filhinha adotiva Keyty Evelyn e alguns documentos e papéis. Na parede, quadros do cantor ao lado de lideranças como a presidenta Dilma Rousseff , o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a senadora Marta Suplicy , todos do PT. Apesar da predominância petista nos retratos, Agnaldo e o seu partido decidiram apoiar a candidatura do ex-governador José Serra (PSDB) à Prefeitura de São Paulo. Em 2010, o vereador ajudou na campanha de Dilma à Presidência, na ocasião contra o próprio tucano. Incoerência? Não para Timóteo.

Entrevista ao iG: 'Não deveria ter dito que o Wando gostava de uísque'

Poder Online: Timóteo diz que Dilma prejudicou campanha de Haddad

“Nós estamos muito confortáveis ao lado do Serra. Você pode falar que ele é antipático, que ele não sorri... E ele sorri pouco mesmo. Eu estava vendo aqui uma foto que ele tirou com um dos meus funcionários. Está aqui [mostra a imagem no celular]. Ele sorri pouco. É careca, não é bonito... Mas ninguém pode falar do currículo e da dignidade dele. Ninguém pode agredi-lo do ponto de vista moral e muito menos por sua competência. Ele já provou sua competência em vários segmentos políticos desse País”, elogia o vereador.

Marcela Tavares
Cantor romântico e vereador, Agnaldo Timóteo tenta seu 3º mandato consecutivo na Câmara de São Paulo: ex-malufista, ele apoiou o governo Lula, fez campanha para Dilma em 2010 e hoje está na aliança que apoia Serra

Questionado sobre os motivos que levaram o PR a mudar de lado em relação a 2010, Agnaldo não se furta a apontar a responsável: ”A Dilma. Ela foi intransigente em punir o PR [ demitindo o ex-ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, e desalojando o partido da pasta ], como se fosse só o PR a buscar o seu espaço. Isso é uma demagogia que não tem tamanho”, critica. “A Dilma foi eleita porque o PR e os outros partidos estiveram ao lado do Lula durante os oito anos do mandato. Quando tiraram o presidente da Câmara [Severino Cavalcanti , que caiu em 2005 acusado de envolvimento em um esquema de propina] e caíram de pau em cima dele por causa de R$ 10 mil, o objetivo era cassar o Lula. Os partidos se juntaram e salvaram o mandato do Lula, graças a Deus. E graças a Deus a Dilma é presidenta. Então precisa parar com essa frescura.”

Relembre: 'Querem que eu seja um pretinho bem acomodado', diz Agnaldo Timóteo

Poder Online: Timóteo lamenta silêncio sobre coisas 'maravilhosas' do regime militar

Eleito vereador por São Paulo em 2004, pelo PP, e reeleito em 2008, já no PR, Agnaldo Timóteo não conseguiu se eleger deputado federal em 2010. Ele já foi vereador no Rio de Janeiro e deputado federal representando os fluminenses –, o cantor conhecido pelas melodias românticas e que já gravou mais de 50 discos dispara sua metralhadora verbal contra o que chama de “massacre da mídia”, citando especialmente a TV Globo. "Nós somos hoje reféns, graças à covardia do Congresso Nacional, do massacre da mídia. O Congresso, o Executivo e o Judiciário, que não resiste a uma pressão da mídia. Se ela é encabeçada pela Rede Globo, então, ‘bau-bau’."

Divulgação
Ao lado de Dilma e Lula: tratamento dado ao PR no governo federal foi decisivo para apoio a Serra

Timóteo também diz que o salário dos parlamentares brasileiros não é alto. "Eu queria ganhar o que ganha o Datena, a Hebe Camargo, o Raul Gil, o Gilberto Barros... Eu sou tão competente quanto eles. Eu poderia comandar um programa de televisão como o Datena ou qualquer outro. Que frescura é essa? Dez mil reais [um vereador em São Paulo recebe R$ 9.288,05 brutos]! Um parlamentar do Congresso Nacional ganha R$ 26 mil e a imprensa mete a porrada? Sabe lá o que é o preço de uma campanha? O que é a luta de uma campanha? Os problemas que eles resolvem em seus Estados? Ou será que não resolvem? A própria imprensa é beneficiada da política. Não haveria Rede Globo, Manchete, Bandeirantes, tudo, se não fossem os políticos. Mas há uma odiosa perseguição e ninguém reage. Somos todos bundões que não reagimos. Eu reagi aqui e isso me custou caro, sou proibido de cantar na Globo, mas não deixo de colocar o meu ponto de vista."

O vereador fala sobre quase tudo. Diz que o julgamento do mensalão é resultado da pressão da mídia. Que a suposta violação do painel da Câmara – que teria sido fraudado por Timóteo e outros 16 vereadores para garantir presença no plenário – não passa “uma demagogia que engana o povo”. Que o ex-prefeito Paulo Maluf, procurado pela Interpol , “é o maior administrador da história deste País”. Que Celso Pitta, cria política de Maluf, foi injustiçado. Que Fernando Collor de Mello, alvo de um processo de impeachment em 1992, “foi um brilhante presidente da República”. E muito mais.

Poder Online: Lula convidou Timóteo a se filiar ao PT

Leia mais: Vereador liga PR a propina

Ex-malufista, ainda lulista e agora neoaliado dos tucanos na disputa municipal deste ano, Agnaldo Timóteo encerra a conversa declarando sua admiração pela presidenta Dilma Rousseff, apesar do passado de “insurgente” durante a ditadura militar e do tratamento dado ao PR no Ministério dos Transportes. Mas dá um conselho à detentora de popularidade de 77% , segundo a última pesquisa CNI/Ibope: “Ela vai muito bem. Só precisa aprender a falar. É péssima oradora. Na hora em que ela aprender a falar e virar uma craque na oratória, como é o Lula ou o Agnaldo Timóteo, aí ela vai ser muito melhor. ”

Leia outros trechos da entrevista de Agnaldo Timóteo ao iG:

Violação do painel da Câmara

"Eu fui extremamente agressivo com o Ministério Público. A única maneira de se fraudar a minha presença é se cortar o meu dedo. Nós temos um aparelho de presença na saída do elevador. Eu coloquei meu dedo, fui ao Banco do Brasil pegar um dinheiro e voltei imediatamente para o plenário. E você não é obrigado a ficar no plenário. Isso é uma babaquice, uma demagogia que engana o povo. Você tem que estar aqui, cuidando das comissões... Que negócio é esse? Então, matéria da imprensa é o bastante para que o MP nos convoque? Vá procurar o que fazer! Estou aqui sempre, adoro estar aqui, geralmente de segunda a sexta. Vou ter que faltar alguns dias no mês de setembro. O plenário torna-se obrigatório das 17h em diante, quando temos Pequeno e Grande Expedientes."

Agência Estado
Vereador condenou críticas a Lula por foto com Maluf, o 'maior administrador da história do País'

Paulo Maluf

"É o maior administrador da história deste País. Nasceu milionário, cresceu milionário e é milionário. Agora, o [Orestes] Quércia, que era um comunicador de rádio, deixou um patrimônio de um bilhão. E aí? Ele roubou? Não, usou o tráfico de influência para ganhar dinheiro. Mas não. Tem que pegar no pé do Paulo Maluf, geralmente quando se aproximam as eleições. A imprensa e o Judiciário têm sido impiedosos com essa frescura de só aparecer coisa contra o Paulo Maluf quando chegam as eleições. Isso é um desserviço monstruoso à verdade. E mais: agora meteram a porrada no Lula porque foi fotografado com Paulo Maluf . Ué, mas em 1998 o Maluf não apareceu em milhares de outdoors abraçado com o FHC? Lá podia e agora não pode?"

                                                                                    Celso Pitta

AE
Ex-prefeito Celso Pitta foi vítima de sua própria 'ingenuidade', segundo Agnaldo Timóteo

"Foi vítima da sua ingenuidade política e da sua falta de coragem. Deveria ter chutado o balde. Era um diplomata, um homem muito educado, de cultura privilegiada. Fico muito triste. Um dia a Rede Globo fez uma denúncia de que ele tinha conta no exterior. E, paralelamente, dizia que ele havia pedido US$ 5 mil emprestado... Ué, se ele tinha conta no exterior, por que pediria dinheiro emprestado? Ele morreu devendo R$ 800 mil. É uma vigilância impiedosa. Morreu como ladrão e como corrupto. E eu sempre vou à tribuna perguntar aos nossos amigos da Globo e do Ministério Público, que o algemou, que o humilhou: onde está o dinheiro do Pitta?"

                                                                                    Marta Suplicy

Clayton de Souza/AE
Na parede do gabinete, uma foto ao lado de Marta Suplicy: elogios à ex-prefeita de São Paulo

"Eu não vi o governo da Marta Suplicy. Ela foi minha colega no Congresso Nacional, na Câmara, foi uma deputada muito ousada que apresentou propostas muito audaciosas. E realmente é uma mulher muito audaciosa. Aqui, o que dizem na Câmara Municipal é que ela foi excelente prefeita. Dizem que ela se preocupou muito com o lado mais pobre da cidade. É o que dizem, mas eu não conheci o governo dela."

Gilberto Kassab

"Esse é o gênio da política brasileira. Deu uma aula no mundo político brasileiro, que eles estão até hoje procurando saber como é que foi isso. Kassab será um homem poderosíssimo no Congresso Nacional, porque ele vai ter 60 ou mais deputados. A criação do partido [PSD] foi um show. O nome é ótimo, Partido Social Democrático. É o gênio da política nacional."

Futura Press
Kassab é o 'gênio da política brasileira', diz Timóteo, que destacou a habilidade na criação do PSD

Luiza Erundina

"Estou indignado com ela. Demagoga, oportunista, deu uma demonstração de exibicionismo babaca. Eu não a vi protestar contra a união do Paulo Maluf com o FHC, o Serra e o Alckmin. Fez um governinho, tapou as obras que eram maravilhosas do Jânio Quadros... Foi eleita sem competência nenhuma. E quebrou a cara. Porque a nova candidata a vice do Haddad [Nádia Campeão, do PCdoB] tem uma postura de muito maior respeitabilidade."

FHC e Lula

"Foi um excelente presidente do ponto de vista intelectual. Mas, do ponto de vista social, o Lula deu de 10 a zero em todos eles. No Getúlio [Vargas], no Jânio Quadros, no Juscelino [Kubitschek], que foi maravilhoso... O Lula deu uma aula nessa gente e no planeta. Um homem que falava ‘probrema’, ‘menas probrema’, ‘os trabaiadô’, ‘os pé pra fora’... Tornou-se o maior presidente da história deste país, porque alguém o preparou para isso. Show. Esse aí não tem paralelo."

Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Vereador analisou governos de FHC e Lula: na área social, petista deu de '10 a zero', afirmou

Fernando Collor

"Foi um brilhante presidente da República, o mais moderno, o mais audacioso, o mais empreendedor, e perdeu o mandato por causa de um Fiat Elba. A sociedade precisa deixar de ser cínica."

Campanhas e os bicheiros do Rio

"Aqueles que têm amigos poderosos fazem campanhas poderosas. Agora, os caras como eu... E, lamentavelmente, os bicheiros foram destroçados no Rio de Janeiro por uma delegada com ambições políticas [a juíza Denise Frossard]. Os bicheiros , tudo aquilo que eles não pagaram de impostos no transcorrer de suas vidas, há mais de um século, passaram pela ditadura do Getúlio e pela ditadura militar. Nunca tiveram problema. Agora há falsos moralistas. Primeiro, aquela juíza arrebentou com o Rio de Janeiro. Quando os bicheiros mandavam nos morros. Quando ela acabou com os bicheiros, a rapaziada desceu. Vai lá agora! Negócio de Polícia Pacificadora... Isso não resolve nada! Eles perderam o peso e o prestígio e o Rio virou uma bagunça, uma baderna. Ela [Frossard] é a grande culpada pelo que se transformou o Rio de Janeiro quando ela acabou com os bicheiros e os humilhou. E tem mais: ela só está viva porque os bicheiros tiveram que fazer a vigilância dela 24 horas por dia. Se eles não fazem, ela morria, teria ido para o saco. Só que eles sabiam que não podiam deixar que ela fosse assassinada. Eles mesmos tiveram que fazer a segurança da Denise Frossard."

                                                                                    Comissão da Verdade

Roberto Stuckert Filho/PR
Vereador disparou críticas à Comissão da Verdade: 'unilateral', 'provocação' e 'uma grande frescura'

"Essa Comissão da Verdade é unilateral. É uma grande frescura. Vai contar a história da Dilma? Do Zé Dirceu? Do Gabeira e de todo mundo? Que negócio é esse? Se é Comissão da Verdade, que seja toda a verdade. Isso é uma provocação. Eu nunca tive problema com os militares. Eles nunca me desrespeitaram e eu não os desrespeitei. Cuidei da minha vida, dos meus familiares, dos meus dependentes, visitei o mundo e eles nunca se meteram comigo. Agora, aqueles que se meteram a bravos para enfrentar os militares... Eu não pedi a eles para enfrentarem os militares. Nem eu nem 99% da população brasileira pediu para eles serem insurgentes. João Figueiredo disse: ‘Lugar de brasileiro é no Brasil’. Trouxe todo mundo. Leonel Brizola foi eleito e tomou posse, Miguel Arraes foi eleito e tomou posse, Franco Montoro foi eleito e tomou posse, etc. Deputados e senadores foram eleitos, todo mundo tomou posse. E eles continuam falando em ditadura? Até quando vai durar isso? [As manifestações contra os torturadores são] Rancorosas, vingativas, babacas. Se não fossem os militares, nós não havíamos tido o privilégio de ver o Lula ou de ver hoje a Dilma. Ela era uma insurgente que andava armada para matar ou morrer. E hoje é a presidenta e está indo muito bem. O que ela fez no passado, quando era adolescente ou pós-adolescente, ela nunca repetiria hoje."

                                                                                    Mensalão

AE
Ex-ministro José Dirceu, um dos réus do mensalão: para Agnaldo, mídia pressiona o Supremo Tribunal

"É o julgamento da Rede Globo. Estão todos lá, de cócoras, com medo. Não apareceu um depósito. Um. Apareceu aquele de R$ 50 mil, na conta do João [Paulo Cunha, do PT], que era presidente da Câmara, e ele alegou que foi um empréstimo, uma transação normal. Mas passível de verificação. Gente, é preciso acabar com essa demagogia. A campanha é feita com ajuda. Todos nós recebemos, a não ser o milionário, como foi o caso do governador do Mato Grosso [Blairo Maggi, do próprio PR]. Uma fortuna daquelas, você não precisa de ninguém. Mas e o Agnaldo Timóteo? Todo mundo precisa de ajuda. Tem que acabar com essa frescura."

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG