Líder do PT na Câmara defende impeachment de Marconi Perillo em Goiás

Deputado Jilmar Tatto (SP) disse ser contrário a uma nova convocação do governador de Goiás para falar à CPI da Cachoeira: 'Para quê? Para dar o showzinho dele?', questionou

iG São Paulo |

O líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), disse ser contrário a uma nova convocação do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), para falar à CPI da Cachoeira. Para ele, o tucano mentiu em seu depoimento e merece ser cassado pelo elo com o contraventor e não deveria continuar no comando do governo de Goiás.

Leia mais: Presidente do PSDB quer novos esclarecimentos de Perillo

Leia também: Presidente da CPI divulgará balanço sobre atividades do 1º semestre

O líder petista afirmou que a Assembleia Legislativa de Goiás deveria abrir um processo de impeachment e que, se isso não fosse feito, caberia ao STJ tomar a medida de afastar Perillo da função. "É uma temeridade para Goiás ele continuar governador", afirmou.

Mais CPI: Vice-presidente de comissão defende indiciamento de Perillo

Especial iG: Fique por dentro de todas as notícias sobre a CPI do Cachoeira

Agência Senado
Para parlamentares, situação do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), se complicou após novas denúncias

"Eu acho que não tem de convocar [Perillo à CPI]. Para quê? Para dar o showzinho dele? Bobagem. O que a CPI deveria fazer é representá-lo no Ministério Público para que esse possa representá-lo no Superior Tribunal de Justiça (STJ)", continuou Tatto. 

O parlamentar petista disse que existem três fatos que comprovariam o envolvimento de Perillo com Cachoeira. "Tem três episódios com provas materiais que ligam o Perillo ao Cachoeira. Primeiro a casa, que está provado que foi Cachoeira quem comprou. Segundo, a cota de funcionários que ele colocou no governo. Terceiro, que foi o Cachoeira que pagou dívidas de campanha do governador."

Com Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG