Deputado Jilmar Tatto (SP) disse ser contrário a uma nova convocação do governador de Goiás para falar à CPI da Cachoeira: 'Para quê? Para dar o showzinho dele?', questionou

O líder do PT na Câmara, deputado Jilmar Tatto (SP), disse ser contrário a uma nova convocação do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), para falar à CPI da Cachoeira. Para ele, o tucano mentiu em seu depoimento e merece ser cassado pelo elo com o contraventor e não deveria continuar no comando do governo de Goiás.

Leia mais: Presidente do PSDB quer novos esclarecimentos de Perillo

Leia também: Presidente da CPI divulgará balanço sobre atividades do 1º semestre

O líder petista afirmou que a Assembleia Legislativa de Goiás deveria abrir um processo de impeachment e que, se isso não fosse feito, caberia ao STJ tomar a medida de afastar Perillo da função. "É uma temeridade para Goiás ele continuar governador", afirmou.

Mais CPI: Vice-presidente de comissão defende indiciamento de Perillo

Especial iG: Fique por dentro de todas as notícias sobre a CPI do Cachoeira

Para parlamentares, situação do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), se complicou após novas denúncias
Agência Senado
Para parlamentares, situação do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), se complicou após novas denúncias

"Eu acho que não tem de convocar [Perillo à CPI]. Para quê? Para dar o showzinho dele? Bobagem. O que a CPI deveria fazer é representá-lo no Ministério Público para que esse possa representá-lo no Superior Tribunal de Justiça (STJ)", continuou Tatto. 

O parlamentar petista disse que existem três fatos que comprovariam o envolvimento de Perillo com Cachoeira. "Tem três episódios com provas materiais que ligam o Perillo ao Cachoeira. Primeiro a casa, que está provado que foi Cachoeira quem comprou. Segundo, a cota de funcionários que ele colocou no governo. Terceiro, que foi o Cachoeira que pagou dívidas de campanha do governador."

Com Agência Estado

    Leia tudo sobre: impeachment
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.