Kassab tira nome de militar da ditadura de viaduto em São Paulo

General Milton Tavares de Souza, o 'Miltinho', comandou o centro de informações do Exército e era conhecido por ser um militar linha dura no período da ditadura (1964-1985)

Agência Estado |

Agência Estado

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), promulgou no sábado a lei que muda o nome do Viaduto General Milton Tavares de Souza (1917-1981), na Penha, zona leste de São Paulo, para Viaduto Domingos Franciulli Netto, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) morto em 2005. Retira-se assim uma homenagem a um dos expoentes do regime militar no Brasil.

Alterando placas:  Jovens usam as ruas para relembrar ditadura militar

Veja o especial do iG sobre a Comissão da Verdade

Bruna Carvalho
Em protesto, nome de Vladimir Herzog substitui Brigadeiro Faria Lima em placa de rua

DOI-Codi:  Protesto em São Paulo reivindica punição para crimes da ditadura

Um dos generais mais linha dura dessa época, "Miltinho", como era conhecido, comandou o Centro de Informações do Exército. O pedido de retirada de seu nome de um dos viadutos sobre a Marginal do Tietê foi feito a Kassab por políticos do PCdoB que integraram seu governo, retomando projeto de 2006 do então prefeito José Serra .

O viaduto interliga a avenida Governador Carvalho Pinto, na Penha, à avenida Educador Paulo Freire e à Rodovia Fernão Dias, na Vila Maria, zona norte, em sentido único. É uma das 23 pontes e viadutos sobre a Marginal. O nome foi dado ao viaduto no dia 29 de julho de 1981. Em seu decreto daquela data, Reynaldo de Barros considerava a "efetiva participação do general no movimento revolucionário de 1964" para prestar a homenagem.

Saiba mais:  Acusado de torturar Dilma é alvo de manifestação no Guarujá

Oban:  Acusado de torturar Dilma leva vida tranquila no Guarujá

Na época da aprovação do projeto pela Câmara, o atual presidente, José Police Neto, destacou que há uma demanda da sociedade pela alteração de nomes do período militar que não poderia mais ser ignorada pelos vereadores. "Não podemos nos furtar a esse debate."

Mas a proposta é polêmica. O engenheiro Ivo Herzog, filho do jornalista Vladimir Herzog (1937-1975), encontrado enforcado nos porões da ditadura, por exemplo, é contra a alteração. "Não devemos apagar nomes ruins." Ele defende que opositores daquele regime virem logradouros, como o jornalista Perseu Abramo (1929-1996).

Mas não é uma ação sem importância nomear um endereço. Por isso, só figuras de projeção histórica e social devem inspirar homenagens. É o que diz a historiadora Maria Aparecida de Aquino, professora da Universidade de São Paulo (USP).

Bruna Carvalho
Grávida de quatro meses, Soledad Barret Viedma foi morta durante a ditadura militar e recebe homenagem anônima


"Esse general é uma figura sobre a qual pairam extremas dúvidas. Na época, quando a ditadura perdia força, parte da sociedade questionava se o viaduto devia receber o nome, pela relevância e pelos aspectos da sua contribuição."

Já a professora Amélia Teles, da comissão de familiares de vítimas da ditadura, diz que as denominações devem ser trocadas, desde que se preserve em um ponto o nome antigo. "Devem pôr uma placa explicando que a via tinha outro nome e foi mudado porque tal pessoa foi parte da repressão que matou, estuprou e ocultou cadáveres."

"Miltinho" morreu de ataque cardíaco em junho de 1981, quando comandava o 2.º Exército. Mas uma praça na Vila Maria, zona norte, ainda deve conservar o seu nome. Só resta saber até quando. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG