Falhas e inconsistências em peças de acusação em ações no Supremo Tribunal Federal (STF) mostram que impunidade no caso mensalão não deve ser descartada

Entre o clamor popular e a condenação de um réu por um colegiado de juízes em casos importantes como no julgamento do mensalão, marcado para o dia 2 de agosto , existe um abismo nem sempre visto com bons olhos pela sociedade.

Ministros do STF vão começar a julgar o mensalão dia 2 de agosto
Carlos Humberto - SCO/STF
Ministros do STF vão começar a julgar o mensalão dia 2 de agosto

Na análise de um julgamento, a consistência da denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) e do ministro relator (no caso específico do mensalão, o ministro Joaquim Barbosa) são extremamente importantes para dar corpo a esse sentimento de justiça. O problema é que muitas vezes, brechas jurídicas e falhas nas denúncias, às vezes pontuais, livram da condenação pelo Supremo Tribunal Federal (STF) certos personagens que eram tidos como culpados, mesmo antes do julgamento.

Defesa: Réus do mensalão recorrem ao PSDB e dizem que "Justiça não é novela de TV”

Um exemplo emblemático ocorreu no julgamento do caso Collor durante a análise da ação penal 307, em 1994. O ex-presidente Fernando Collor de Mello foi julgado com mais oito pessoas (entre os quais Paulo César Farias, seu então tesoureiro) pelos crimes de corrupção passiva, corrupção ativa, supressão de documentos e falsidade ideológica.

Collor respondeu pelo crime de corrupção passiva (quando funcionário público recebe vantagem indevida) por ter supostamente se beneficiado do cargo de presidente da república. Na acusação, a PGR afirmava que o ex-presidente utilizou contas fantasmas para receber diretamente de empresas ligadas à PC Farias, US$ 4.724.593,99. Collor argumentou que o dinheiro era fruto de restos de gastos de campanha. Depois disse que os recursos foram obtidos junto a um empréstimo no Uruguai.

Leia mais: Ministro do STF libera processo do mensalão na última hora

No entanto, durante o julgamento, os ministros do STF consideraram que houve falta de provas. As provas mais contundentes do esquema, uma gravação de conversa telefônica e disquetes de computador, foram anuladas após serem classificadas como ilegais. Elas foram obtidas sem a anuência dos investigados ou ações judiciais de interceptações telefônicas ou de busca e apreensão. A Procuradoria não se atentou a esse detalhe.

Outro problema na acusação do procurador-Geral da República na época, Aristides Junqueira, estava relacionada à falta de um “ato de ofício” perpetrado pelo ex-presidente. Na prática, o entendimento dos ministros é que esse crime somente poderia ser configurado na época quando houvesse a comprovação de antecipação, omissão ou retardamento de ato funcional em virtude de uma vantagem recebida. Nos autos, isso não ficou devidamente comprovado.

Trâmite: Atrasos, petições e férias jogam mensalão para 2º semestre

Um exemplo prático: a PGR não conseguiu demonstrar que após receber dinheiro de Paulo César Farias, Fernando Collor de Mello tivesse adotado alguma postura que beneficiava, por meio de ações do poder executivo, as empresas ligadas ao esquema. Nesse caso, um simples despacho publicado no Diário Oficial já seria suficiente.

Outro político que conseguiu escapar de uma condenação no Supremo Tribunal Federal durante julgamento de ação penal foi o deputado Sérgio Moraes (PTB-RS). Ele tornou-se conhecido em 2008 após afirmar que estava “se lixando para a opinião pública”. Ele era acusado pela PGR de ter utilizado um bem público para benefício próprio.

Na acusação, entretanto, faltaram elementos probatórios que sustentassem a acusação. Tanto que ela foi refutada pelo próprio relator do caso, o ministro Luiz Fux. “Os elementos contidos na ação penal não são suficientes para a paz necessária que o magistrado precisa para pronunciar uma condenação", admitiu Fux durante o julgamento.

Mensalão: Entenda as acusações do procurador contra cada réu

Em outros casos, falhas nas peças acusatórias levaram determinados casos a nem serem julgados pelo Supremo. Em 2005, o plenário do STF arquivou o inquérito contra o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) e outras 24 pessoas por suposto desvios de verbas na extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). A hoje governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), denunciada junto com Jader, também foi beneficiada.

Barbalho se livrou graças a uma questão de ordem trazida por um dos denunciados, Jorge Murad, marido de Roseana Sarney. Ele argumentou que tinha prerrogativa de foro privilegiado, mesmo raciocínio da defesa de Roseana e que, por isso, qualquer investigação deveria ser remetida à Justiça de segundo grau e não à de primeiro, como ocorreu na época (a investigação foi autorizada pela 2ª Vara Federal do Tocantins). Com isso, o relator do processo, ministro Gilmar Mendes, anulou a denúncia e o processo foi arquivado.

    Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.