Intervenção de Kassab nas eleições de BH fere estatuto do PSD

Medida foi tomada para garantir apoio do partido ao PT, e não mais ao PSB do atual prefeito Marcio Lacerda, próximo a Aécio Neves

Agência Estado |

Agência Estado

A intervenção do presidente nacional do PSD e prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab , no diretório de Belo Horizonte contraria o estatuto do partido. Para retirar o apoio à reeleição de Marcio Lacerda (PSB) e decretar a aliança com o PT, Kassab ouviu os seis deputados da bancada de Minas - quatro o apoiaram. 

Belo Horizonte: Kassab minimiza racha no PSD após intervenção

Entenda: Capital mineira vira palco de disputa entre Dilma e Aécio

Leia mais: Dilma avisa candidato do PT em BH: 'Você vai enfrentar uma guerra'

O artigo 60 do estatuto diz que "compete à Executiva Nacional suspender ou cancelar a realização de Convenções Municipais e Estaduais (...), bem como anular as realizadas, quando assim determinar o interesse partidário". E atribui à executiva a tarefa de "designar comissões provisórias e interventoras estaduais e municipais".

Ou seja, Kassab deveria ter convocado os 25 dirigentes nacionais do PSD. Participariam da reunião a 1ª vice-presidente, senadora Kátia Abreu (TO), que redigiu carta contra a medida "truculenta, desleal e desrespeitosa com os demais dirigentes", e o 2º vice Roberto Brant (MG), que deixou o posto após a intervenção.

Leia também: PSD intervém em Belo Horizonte, exige apoio ao PT e abre guerra

Saiba mais: 'Fator Aécio' traz reviravolta para BH e joga 2012 na disputa de 2012

Em conversa com os deputados em Brasília, Kassab alegou que o apoio a Lacerda teria de ser revisto a pedido da presidente Dilma Rousseff. Disse que não queria fazer uma opção agora, mas não havia outro jeito, pois a disputa estaria nacionalizada.

"Pedi para discutirmos com mais cautela, mas não fui ouvido", disse o deputado Marcos Montes (PSD-MG), um dos votos contrários da bancada e aliado do tucano Aécio Neves. "Ninguém quer implodir o partido, mas vamos ter que administrar isso. A intervenção é ilegal."

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG