Deputados ainda não chegaram a acordo sobre votação da LDO, diz Marco Maia

Presidente da Câmara esteve reunido com líderes de partidos e a ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, mas está pessimista: 'Faltam 100 passos para o entendimento'

Agência Câmara |

Agência Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), acaba de sair da reunião dos líderes com a ministra Ideli Salvatti, das Relações Institucionais, e disse que ainda não se chegou a um acordo para permitir a votação das medidas provisórias que trancam a pauta e da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2013. "Estamos caminhando, mas ainda faltam uns 100 passos para chegar ao entendimento", afirmou. Ele disse que o Plenário vai continuar insistindo na votação das Medidas Provisórias 563 e 564, que tratam do Plano Brasil Maior.

Leia mais: Comissão de Orçamento terá 'força-tarefa' para votar LDO nesta semana

Relembre: Dilma sanciona LDO, mas aumento real a aposentados

O impasse entre governo e oposição diz respeito à liberação de recursos orçamentários indicados pelos parlamentares oposicionistas para a saúde. A oposição diz que teria feito um acordo com o governo, sobre a liberação das emendas parlamentares, na semana passada, mas que o acordo não teria sido cumprido.

Leia também: Dilma faz afago ao PT em jantar com parlamentares e ministros

O presidente esclareceu que o acordo foi cumprido, mas os empenhos da saúde não foram feitos porque precisam da análise prévia dos projetos, um processo que independe do empenho do governo federal. Maia propôs que seja feito um voto de confiança e, daqui a vinte dias, a avaliação do cumprimento ou não do acordo.

Mas o vice-líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), disse que o DEM está intransigente e quer o empenho destes recursos até a terça-feira. Ele está pessimista quanto ao desfecho das negociações. "Ou a oposição recua ou caminhamos para um fim de semestre melancólico". Guimarães disse ainda que as MPs estão comprometidas. "São MPs boas, que estão indo para o brejo", afirmou. 

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG