Conselho de Ética da Câmara rejeita representação contra Protógenes

Por 18 votos a 1, além de uma abstenção, comissão negou o pedido de abertura de investigação contra deputado do PCdoB por suposto envolvimento com grupo de Cachoeira

Valor Online |

Valor Online

O Conselho de Ética da Câmara rejeitou o pedido de investigação contra o deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP). Foram 18 votos contrários e um favorável ao parecer do deputado Amauri Teixeira (PT-BA), que sugeria uma "análise mais aprofundada" sobre as denúncias contra o ex-delegado da Polícia Federal. Um deputado se absteve de votar.

Relembre: Conselho de Ética abriu processo preliminar contra Protógenes

Leia mais: Senado decide cassar o mandato de Demóstenes Torres

O relatório preliminar de Teixeira dizia haver "indícios" que justificavam a continuidade da apuração sobre a relação de Protógenes com o ex-sargento da Aeronáutica Idalberto Matias de Araújo, conhecido como Dadá, acusado de integrar a organização chefiada pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira .

Leia também: Parlamentares dizem que Senado cumpriu dever ao cassar Demóstenes

Agência Câmara
O deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) teve seu nome citado nos grampos da PF que investigavam Cachoeira, mas negou ser amigo do aliado do bicheiro, Dadá; Conselho de Ética rejeitou abertura de processo

O posicionamento de Teixeira irritou o próprio partido, que apresentou um voto em separado em que pedia o arquivamento do pedido de investigação, apresentado pelo PSDB. Parlamentares do colegiado avaliam que a posição de Teixeira ameaçava o PCdoB, aliado histórico do PT e que tem andado junto dos petistas na CPI que investiga as relações de políticos com Cachoeira, acusado de comandar uma rede ilegal de jogos de azar.

Os tucanos tomaram como base reportagem do jornal "O Estado de São Paulo". A publicação apontou escutas telefônicas da Operação Monte Carlo da Polícia Federal em que há supostas orientações do deputado a Dadá. Ex-delegado da PF, Protógenes teria instruído Dadá em sua defesa quando o ex-militar era investigado pela própria PF.

Teixeira afirmou que, além dos materiais encaminhados pelo PSDB, deve analisar outros documentos enviados pela PF à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira para produzir o parecer definitivo sobre a conduta de Protógenes. 

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG