Ronaldo Cunha Lima morre na Paraíba

O ex-governador da Paraíba lutava contra um câncer no pulmão desde 2011

iG São Paulo | - Atualizada às

O ex-governador da Paraíba Ronaldo Cunha Lima morreu aos 76 anos neste sábado (7) na casa da família, em João Pessoa. Ele lutava contra um câncer no pulmão desde 2011. O senador Cássio Cunha Lima (PSDB), filho de Ronaldo, confirmou a morte pelo twitter.

"Os Poetas não morrem! O Poeta Ronaldo Cunha Lima, após uma vida digna, descansou", afirmou Cássio. Ele também agradeceu a solidariedade dos amigos. “Louvamos a Deus pela bela existência do Poeta Ronaldo e agradecemos a todos por toda solidariedade."

Biografia

Embora tenha sido governador da Paraíba, duas vezes prefeito de João Pessoa, senador e deputado federal, Ronaldo Cunha Lima marcou sua passagem pela política brasileira por ter tentado matar a tiros o ex-governador Tarcísio Burity durante o almoço em um restaurante da capital paraibana no dia 5 de novembro de 1993.

Burity, seu adversário político, havia feito duras críticas ao então superintendente da Sudene Cássio Cunha Lima, filho de Ronaldo, em um programa de TV local. Indignado, o então governador invadiu o restaurante Gulliver, onde Burity almoçava, e fez três disparos à queima roupa. Burity ficou em estado grave mas sobreviveu até 2003, quando morreu por falência múltipla dos órgãos.

Ronaldo Cunha Lima nunca chegou a ser punido pelo crime. Em 2007, quando o processo seria remetido ao Supremo Tribunal Federal, ele renunciou ao cargo de deputado federal, perdeu o direito ao foro privilegiado e o caso voltou para a primeira instância da Justiça paraibana.

O caso Gulliver ofuscou uma rica trajetória na vida e na política. Filho de uma família modesta de Guarabira, no interior da Paraíba, Cunha Lima perdeu o pai ainda garoto e trabalhou como entregador de jornais e garçom para bancar os estudos. Formado na Faculdade de Direito da Universidade Federal da Paraíba, ingressou na carreira política e apaixonou-se pela obra do poeta paraibano Augusto dos Anjos (1884-1914).

Em 1968 foi eleito prefeito de João Pessoa e cassado no ano seguinte pela Ditadura Militar (1964-1985). Passou mais de dez anos no ostracismo político até que, anistiado, voltou à prefeitura de João Pessoa em 1983.

Paralelamente à política desenvolveu uma carreira literária com 15 livros de poesia publicados.

Em 1990 foi eleito governador, em 1994 ganhou uma vaga no Senado e em 2002 disputou sua última eleição, na qual foi escolhido deputado federal.

Desde a renúncia em 2007, Cunha Lima deixou a própria carreira de lado para acompanhar a trajetória do filho, Cássio, também eleito governador da Paraíba.

Em 2011, quando o câncer de pulmão foi diagnosticado pela equipe do médico Riad Younes no hospital Sírio-Libanês, Cássio anunciou a doença pelo twitter. “O diagnóstico do Poeta foi fechado: Adenocarcinoma no pulmão esquerdo. Ele fará apenas radioterapia e ficará curado. Obrigado pela solidariedade”.

Ronaldo Cunha Lima deixou a mulher, Maria da Glória, e quatro filhos.

    Leia tudo sobre: ronaldo cunha limacássio cunha limacâncer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG