Presidente estadual do partido, Pedro Tobias, confirma disputa com PSD e DEM por indicação; decisão está concentrada nas mãos do candidato, que recebeu carta do partido

A definição sobre o nome do candidato a vice-prefeito na chapa encabeçada pelo ex-governador José Serra (PSDB) à Prefeitura de São Paulo sairá após uma verdadeira “guerra” entre os partidos que compõem a aliança. Quem admite é o próprio presidente estadual do PSDB, deputado Pedro Tobias, que defende abertamente a indicação do ex-secretário estadual de Cultura Andrea Matarazzo, mas reconhece as fortes pressões também exercidas pelo PSD do prefeito Gilberto Kassab e pelo DEM.

Leia mais: 'Dá para governar sozinho?', questiona FHC sobre chapa puro sangue em SP

Leia também: Cotado, Matarazzo despista sobre vice em chapa de Serra

Mais sobre a vice: PR diz que reivindicação não é ameaça, mas algo normal

“O Kassab está pedindo o vice, o DEM também quer. É uma guerra, não é nem questão de pedir. Tem pressão do PSD, tem pressão do DEM e nós também fazemos pressão. Isso é normal”, afirmou Tobias em entrevista ao iG nesta quinta-feira (28). O PSD ofereceu a Serra o nome do ex-secretário municipal de Educação Alexandre Schneider, enquanto os democratas tentam emplacar o ex-secretário estadual de Desenvolvimento Social Rodrigo Garcia. Apesar das pressões de todos os lados, a decisão está concentrada exclusivamente no candidato tucano. “O Serra não fala muito, eu não sei [qual será a decisão]. Ele não está abrindo o papo, não. E eu acho isso até melhor, para não fomentar as especulações”, diz Tobias.

Integrantes da Executiva Municipal do PSDB encaminharam nesta semana ao próprio Serra uma carta na qual pedem explicitamente que o vice na chapa tucana seja um nome do partido. O manifesto conta com o apoio do presidente municipal da legenda, Júlio Semeghini, e de várias lideranças tucanas na capital paulista. “[Matarazzo] é o meu candidato a vice, estou brigando por ele. Andrea pacificaria o PSDB porque tem o apoio de todos os setores, inclusive do [José] Aníbal, do Trípoli, do Bruno Covas [que participaram das prévias do partido]. Ele é amigo do Serra e tem aval do Geraldo [Alckmin]. É o candidato da união”, defende Tobias.

Por meio de sua assessoria, o presidente da seção estadual do DEM, Jorge Tadeu Mudalen, disse que ainda não há nenhuma definição sobre a vice e que as conversas prosseguem e reforçou que o partido oferece o nome de Rodrigo Garcia. Já o PSD, também via assessoria, diz que aguarda a decisão de Serra e também confirma a oferta do nome de Schneider. O PSD ganha força após a vitória em julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) , que definiu que o partido tem direito a um tempo maior na propaganda no rádio e na televisão. A decisão do Supremo será formalizada na sexta-feira, com o voto da ministra Cármen Lúcia, o único que resta. 

A decisão de Serra pode ser anunciada a qualquer momento. A expectativa inicial era de que o ex-governador anunciasse o nome do vice até o final desta semana, antes do próximo sábado (30), último dia para os partidos realizarem as convenções que definem as candidaturas. A coligação tem até o dia 5 de julho, às 19h, para registrar a candidatura na Justiça Eleitoral, obrigatoriamente com o nome do vice.

Nesta semana, até o PR entrou na discussão sobre a vice do tucano . Na quarta-feira (27), o vereador Antonio Carlos Rodrigues, principal líder da legenda na capital, assinou uma nota pública em que também reivindica a indicação de um de seus quadros. “O Partido da República, durante todo o processo de negociação que levou o PR a apoiar o candidato a Prefeito de São Paulo pelo PSDB, José Serra, deixou claro que abriria mão da indicação do vice, na chapa, se este nome saísse dos quadros do PSD. Diante das versões de que o indicado para vice-prefeito não sairá dos quadros do PSD, o Partido da República volta a reivindicar participação, indicando nome do PR para o posto”, diz o texto.

Decisão sobre a vice está concentrada em Serra: segundo presidente do PSDB-SP, ele 'não está abrindo o papo'
AE
Decisão sobre a vice está concentrada em Serra: segundo presidente do PSDB-SP, ele 'não está abrindo o papo'

O que está em jogo

A pressão do PSDB pela candidatura puro-sangue à Prefeitura de São Paulo se intensificou após reunião do Diretório Municipal na última quinta-feira (21) que aprovou, por 41 votos a 27, a proposta do chamado “chapão” de candidatos a vereador , com a coligação proporcional entre os partidos que apoiam Serra. A aliança envolverá, além dos tucanos, o PSD, o DEM e o PR. O PV, que também faz parte da coligação majoritária, não estará no “chapão” de vereadores. A decisão foi ratificada em convenção realizada pelo partido no domingo passado (24) que oficializou a candidatura de Serra.

A ala tucana que não queria o “chapão”, liderada pelo secretário estadual de Energia, José Aníbal, derrotado por Serra nas prévias do PSDB que definiram o candidato tucano à Prefeitura, teme que a força da máquina municipal beneficie os candidatos a vereador do PSD. Atualmente, a legenda de Kassab possui a segunda maior bancada da Câmara, com 9 vereadores (só atrás do PT, que tem 11). O PSDB, que tinha 13 antes da criação do PSD, hoje conta com 8 vereadores. O DEM tem 3. Como a coligação funciona como um único partido na eleição, quem tiver mais votos dentro dela, está eleito, independentemente da legenda a que pertença. Aí reside a grande preocupação de parte do PSDB: que a legenda de Kassab se transforme em uma "superbancada" em São Paulo e que os tucanos vejam seu espaço diminuir.

No domingo passado, em entrevista ao iG , Matarazzo despistou sobre a possibilidade de ser indicado para o posto . “Fico feliz com essa possibilidade, mas essa decisão cabe ao candidato e aos partidos aliados da coligação. Não trabalho com hipóteses. Vamos esperar”, disse na ocasião.

Andrea Matarazzo, cotado para vice de Serra
Agência Estado
Andrea Matarazzo, cotado para vice de Serra

Além de Matarazzo, Schneider e Garcia, o nome do coordenador da campanha de Serra, Edson Aparecido (PSDB), também chegou a ser ventilado como possível cotado para a vice em uma chapa puro-sangue. “Isso não é questão de vontade pessoal. Você tem que levar em conta as circunstâncias e uma série de fatores e a preocupação maior deve ser sempre construir uma aliança ampla e forte”, afirmou Aparecido ao iG na última semana. Na última noite, ele embarcou para Cingapura para participar de um congresso mundial sobre cidades sustentáveis . Deve voltar ao Brasil na terça-feira da próxima semana. 

Outro nome que chegou a ser especulado foi o do secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo Jorge (PV), mas ele perdeu força após as denúncias de que teria recebido propina para aprovar licenças ambientais – ele rechaçou as acusações e foi defendido por lideranças de seu partido. “Eduardo Jorge é um monumento. Essa dinâmica de escolha é do PSDB e do Serra. Nós estamos definidos, nossa indicação para a vice é Eduardo Jorge. Eu vejo com pesar essa judicialização da política e a máquina de linchamento usada pela concorrência. Atribuo (as denúncias) aos concorrentes”, afirmou o presidente nacional do PV, José Luiz Penna, na convenção tucana do último domingo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.