Lewandowski diz que STF tem como cumprir cronograma do mensalão

Ministro revisor respondeu, por meio de ofício, à cobrança do presidente do Supremo após especulações sobre possível adiamento do julgamento

Wilson Lima - iG Brasília | - Atualizada às

O ministro revisor do mensalão, Ricardo Lewandowski, afirmou por meio de ofício ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ayres Britto, que a corte tem “todas as condições de cumprir o cronograma já estabelecido e de iniciar o julgamento da Ação Penal 470 na data aprazada”, o mensalão. Pelo calendário estabelecido em 6 de junho, a análise do processo começará dia 1º de agosto. A expectativa é que Lewandowski termine a revisão do processo nesta terça-feira.

Leia também:  STF poderá usar a internet para evitar atrasos no mensalão

Poder Online: Julgamento do mensalão pode atrasar

Leia mais: Julgamento do mensalão começará em 1º de agosto

O ofício foi uma resposta a uma cobrança feita por Ayres Britto na semana passada a Lewandowski. No comunicado do presidente do STF, ele lembrava Lewandowski que ele precisa entregar a revisão do processo até esta segunda-feira para que possam ser cumpridos os prazos regimentais do Supremo de comunicação de partes e marcação de julgamento. Na realidade, uma brecha no regimento interno do STF dá a Lewandowski até esta terça-feira para concluir a revisão do processo sem que haja atrasos no calendário do mensalão.

Julgamento: Atrasos, petições e férias jogam mensalão para 2º semestre

No ofício encaminhado a Ayres Britto, Lewandowski afirmou que ficou surpreso pelo fato de a correspondência ter sido divulgada para a mídia, “antes mesmo de chegar ao meu conhecimento”. “Tirante do inusitado da situação, confesso que fiquei surpreso com a informação constante do mencionado ofício, visto que o Plenário desta Suprema Corte, na Sessão Administrativa de 6/6/2012, aprovou, por voto unânime dos presentes, o cronograma do julgamento da Ação Penal470”, afirmou o ministro revisor no ofício.

Mensalão: Entenda as acusações do procurador contra cada réu

Lewandowski ainda lembrou ao presidente do STF que tem “envidado todos os esforços possíveis para não atrasar em um só dia o julgamento do mensalão. Ele ainda disse que tem como “princípio fundamental” em 22 anos de magistratura “não retardar nem precipitar o julgamento de nenhum processo, sob pena de instaura odioso procedimento de exceção”.

Essa é a segunda vez que Lewandowski é cobrado publicamente pela lentidão com que tem trabalhado no processo de revisão do mensalão. Em abril, ele discutiu durante o intervalo de uma sessão do STF com Gilmar Mendes por esse motivo.

    Leia tudo sobre: mensalãostf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG