Em convenção do PMDB, Chalita critica Serra e Haddad

Com candidatura, partido interrompe jejum de 16 anos; Chalita diz que Serra usa prefeitura como 'trampolim' e que uso da máquina federal nas eleições é 'indecente'

iG São Paulo |

O PMDB oficializou neste domingo a candidatura do deputado federal Gabriel Chalita à Prefeitura de São Paulo. Fazia 16 anos que o partido não apresentava um candidato próprio à prefeitura .

Ao discursar, Chalita elogiou os ex-governadores Mário Covas, morto em 2001, e Franco Montoro, morto em 1999, ambos fundadores do PSDB.

Convenção do PSDB: Oficializado candidato, Serra defende gestão Kassab

AE
Ao lado do vice-presidente Michel Temer, Gabriel Chalita é oficializado candidato em evento na Praça da Sé, em São Paulo


Com o gesto, o pemedebista fez um aceno ao eleitorado tucano, mas não poupou de críticas o pré-candidato a prefeito do PSDB, José Serra, a quem acusou de ocupar usar a Prefeitura e o governo do Estado como "trampolim" para a tentativa de se eleger presidente.

Leia também:  PMDB quebra jejum de 16 anos e oficializa Chalita

Saiba mais: Chalita investe em marketing para crescer no vácuo de Haddad

Chalita também criticou a aliança entre o PP e o PT na disputa pela capital paulista . "Não temos máquina e mesmo se tivéssemos não usaríamos, porque isso é indecente, incorreto e criminoso", declarou.

Filiado à legenda desde junho de 2011, Chalita tem como principal fiador de sua candidatura a prefeito o vice-presidente da República, Michel Temer , presidente nacional licenciado do PMDB. Chalita veio do PSB, pelo qual foi eleito deputado federal em 2010 com mais de 560 mil votos e onde permaneceu por menos de dois anos.

Leia também: Chalita vai usar o Rio como exemplo a ser seguido por São Paulo

Desde a morte do ex-governador Orestes Quércia, até então a grande liderança do partido em São Paulo, em dezembro de 2010, o PMDB paulista se alinhou ao comando nacional da legenda, encampando o discurso de unidade pregado por Temer. Em janeiro do ano passado, o Diretório Estadual foi dissolvido, com a renúncia coletiva de mais de dois terços de seus membros.

Em abril deste ano, Chalita foi eleito presidente municipal do PMDB em São Paulo, após seis meses de interinidade no cargo, com 124 dos 126 votos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG