Governo aumenta liberação de emendas parlamentares

A pouco mais de três meses das eleições, Dilma aumentou em 23,5 vezes o volume de empenho de emendas ao Orçamento

Agência Estado |

Agência Estado

selo

A pouco mais de três meses das eleições , a presidenta Dilma Rousseff aumentou em 23,5 vezes o volume de empenho de emendas de parlamentares ao Orçamento. Os redutos eleitorais de parlamentares da base aliada foram os mais beneficiados com a promessa de liberação de verbas.

Na primeira semana de junho, o governo se comprometeu a liberar R$ 14,4 milhões de verbas de emendas. E entre os dias 8 e 15, o Planalto mandou empenhar R$ 324,3 milhões.

Pelo levantamento feito pelo DEM junto ao Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), o governo federal empenhou até a semana passada R$ 602, 2 milhões em emendas - o equivalente a 2,89% do total prometido pelo Planalto para este ano.

Poder Online:
Esportes e Turismo são pastas com mais dificuldades para liberar emendas

O empenho é a reserva do dinheiro para posterior liberação. Ele garante que a verba será paga à prefeitura e base eleitoral do deputado ou senador para tocar obras e projetos sociais. Pela legislação, o governo federal é proibido de liberar emendas nos 90 dias que antecedem as eleições. Este ano, esse prazo começa a contar a partir de 7 de julho.

Principal parceiro do governo no Congresso, o PMDB foi o partido mais privilegiado com empenhos: R$ 10,8 milhões, nos primeiros 15 dias de junho. Sétima bancada da Câmara, com 30 deputados e quatro senadores, o PSB do governador Eduardo Campos (PE) vem em seguida: vai receber R$ 4,9 milhões.

O empenho foi feito depois que o partido concluiu o apoio à candidatura do petista Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo. Já os parlamentares do PT foram beneficiados com o empenho de R$ 4,8 milhões de suas emendas.

Oposição

Os três partidos de oposição - DEM, PSDB e PPS - praticamente não tiveram emendas empenhadas.

O DEM não teve a promessa de liberação de emenda de seus parlamentares em junho. Os tucanos conquistaram R$ 1,8 mil, enquanto o PPS teve R$ 349,8 mil.

"Os partidos de oposição foram discriminados no empenho de emendas. Quiseram castigar os partidos de oposição em ano eleitoral", reclamou o deputado Felipe Maia (DEM-RN). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG