Corregedoria do MP-GO arquiva representação sobre software espião

Corregedor Aylton Flávio Vechi afirma que programa detectado por promotores tinha função apenas de manutenção à distância de computadores

iG Brasília |

A Corregedoria do Ministério Público de Goiás (MP-GO) arquivou apresentação impetrada pelo promotor de Justiça Fernando Aurvalle Krebs, que denunciou a existência de um software espião nos computadores do grupo responsável pelo combate ao crime organizado no Estado.

DenúnciaPromotores suspeitam de espionagem no Ministério Público em Goiás

ReaçãoSuposto "software espião" aumenta crise no Ministério Público de Goiás

Segundo a denúncia do promotor, esse programa “fotografava” a cada 30 segundos as telas dos computadores dos promotores. Ainda pela denúncia, por meio desse software seria possível ter acesso a essas máquinas da sede do Ministério Público goiano.

Durante o processo de investigação, a Corregedoria do Ministério Público entendeu que o programa ao qual os promotor se referia na representação era os softwares UltraVNC e Team Viewer, utilizados normalmente em grandes companhias para manutenção remota de máquinas. Esse sistema foi implementado em 2008 pelo MP-GO. Na investigação, o corregedor Aylton Flávio Vechi negou a existência de qualquer mecanismo que capture informações dos computadores do MP-GO.

Saiba mais : Demóstenes constrange Ministério Público

Ação de Cachoeira no MPE-GO : 'Ele tinha informantes ao lado do meu gabinete'

“Até então, a manutenção de computadores do Ministério Público, ainda que apenas para meros ajustes em programas, demandava o envio das máquinas para o Setor de Informática situado na sede da Instituição, nesta Capital, retirando da comarca, além do equipamento, um servidor e o veículo oficial da Promotoria de Justiça, com sensível prejuízo à rotina de serviço, ou importando no deslocamento de técnicos para a prestação do suporte necessário, gerando gastos com diárias, além de considerável perda de tempo”, afirmou o corregedor Aylton Flávio Vechi por meio de nota oficial.

O corregedor classificou ser “desprovida de qualquer sustentação fática eventual ligação entre o serviço de atendimento remoto (suporte) realizado pela Superintendência de Informática e as supostas investigações realizadas pelas promotorias de justiça do Estado sejam quais forem os envolvidos”.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG