Presidente do PT minimiza desistência de Erundina e já pensa em um novo vice

Rui Falcão não acredita que saída da ex-prefeita da chapa de Haddad prejudique o pré-candidato petista; dirigente revela acordo com PMDB para um eventual 2º turno

Agência Estado |

Agência Estado

O presidente nacional do PT, deputado estadual Rui Falcão, afirmou que a saída de Luíza Erundina (PSB-SP) da vice na chapa que vai disputar a prefeitura de São Paulo causou um percalço momentâneo, mas não vai atrapalhar a campanha do ex-ministro Fernando Haddad. "A aliança com o PSB está mantida e a própria Erundina disse que vai participar da campanha. Agora temos de buscar um vice entre os partidos aliados", afirmou o dirigente petista. 

Leia mais: 'Não gostei', diz Haddad sobre desistência de Erundina

Leia também: Erundina desiste de ser vice na chapa de Haddad

Falcão anunciou que o PC do B deverá também fechar com a candidatura de Haddad, embora tenha até agora insistido na candidatura própria, com o vereador Netinho. "A campanha do Haddad vai bem. Ele cresceu mais de 160% entre a penúltima e a última pesquisa", disse. Para ele, assim que o horário eleitoral começar e Haddad ficar exposto na TV, o candidato petista deverá mostrar competitividade para disputar o segundo turno.

AE
Rui Falcão, presidente nacional do PT, ao lado de Fernando Haddad: partido minimiza saída de Erundina da vice

Em relação à rejeição de Erundina ao ex-governador Paulo Maluf, Falcão lembrou que há uma aliança nacional com o PP, para o qual foi destinado o Ministério das Cidades desde o primeiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva. "É natural que essa aliança se repita nos municípios", disse. Quanto a Maluf, Falcão afirmou que o PT tem discordâncias com o ex-prefeito, mas há convergência quanto ao diagnóstico e as soluções para os problemas de São Paulo. Na opinião de Rui Falcão, esses problemas se concentram no transporte urbano, na falta de escolas e de creches.

Acordo com o PMDB

Rui Falcão e o presidente interino do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), anunciaram nesta terça um acordo de procedimentos para o segundo turno das eleições municipais. A ideia será fazer com que o PT apoie o PMDB caso este último passe para o segundo turno, ou o contrário. "É o que vai acontecer em São Paulo. Se o deputado Gabriel Chalita passar para o segundo turno, e nós não, vamos apoiá-lo; se ocorrer o contrário, ele é que vai nos apoiar", disse Falcão.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG