Para presidente da Câmara, aliança entre PT e Maluf 'é natural'

'Não há nenhum desconforto em uma aliança do PT com PP. Teria se fosse com o DEM, o PSDB ou o PPS', afirma Marco Maia

Agência Estado |

Agência Estado

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), defendeu nesta terça-feira a aliança de seu partido com o PP do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) para a disputa da prefeitura de São Paulo.

A ida do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do candidato Fernando Haddad à casa de Maluf para oficializar a aliança irritou a deputada Luiza Erundina (PSB-SP) , que chegou a ameaçar deixar o posto de vice na chapa. Mas para Maia, a aliança é natural.

Leia também:  'Não sou de recuar', diz Erundina sobre possibilidade de deixar vice

Antonio Cruz/ABr
O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, diz que aliança com PP em São Paulo é natural


"O PP faz parte da base aliada em Brasília e a resolução política do PT é de procurar aliança com partidos da base. Não há nenhum desconforto em uma aliança do PT com o PP. Teria se fosse com o DEM, o PSDB ou PPS", disse Maia.

De inimigo a aliado: Veja vídeos das brigas históricas de Maluf com o PT
Sobre Haddad: Maluf evita o bordão 'se não for um bom prefeito, não votem em mim'

Maia disse que a aliança com o PP se insere "na composição mais ampla que o PT patrocina no campo federal" e que a composição "não é apenas com Maluf". Para Marco Maia a aproximação do PT com Maluf não terá consequência negativa na eleição.

"O eleitor ao escolher seus representantes olhará para propostas, para o projeto para a cidade. Temos que evoluir na dinâmica de não olhar mais para as pessoas, mas para o projeto".

Comércio de emendas

O presidente da Câmara afirmou que vai encaminhar à Corregedoria da Casa o pedido de investigação sobre um suposto esquema de comércio de emendas entre deputados da Bahia. Segundo reportagem do jornal O Globo, o deputado João Carlos Bacelar (PR-BA) teria negociado com os colegas Marcos Medrado (PDT-BA), Geraldo Simões (PT-BA) e com o ex-parlamentar Fernando de Fabinho (DEM-BA).

Maia negou que o caso se configure em um "esquema" com emendas. "Não há um esquema de compra e venda de emendas. Há uma denuncia de um ou dois parlamentares que precisa ser investigada. A maioria faz bom uso das emendas".

O presidente da Câmara defendeu as emendas parlamentares ao afirmar que esta é a forma mais eficiente da sociedade participar da elaboração do Orçamento. "Entre a decisão de parlamentares que visitam suas bases e cidadãos que ficam atrás de uma mesa prefiro que os representantes da sociedade tomem as decisões sobre a aplicação de recursos públicos", afirmou.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG