Mais de 6 mil políticos que ocupam cargo público estão inelegíveis, diz TCU

Balanço aponta que pessoas tiveram suas contas julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas da União e, portanto, serão atingidos pela Lei da Ficha Limpa

iG São Paulo | - Atualizada às

Mais de 6 mil políticos que ocupam algum cargo de gestão no serviço público já estão inelegíveis por oito anos a contar das eleições municipais de outubro . Essas pessoas tiveram suas contas julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e, por isso, serão atingidos pela Lei da Ficha Limpa .

Leia também:  Candidatos que tiveram as contas rejeitadas em 2010 estão inelegíveis

Nova regra:  Norma do TSE cria insegurança jurídica, afirmam especialistas

Agência Brasil
Zymler esteve no Senado para entregar a conta do primeiro mandato de Dilma Rousseff , aprovado pelo TCU em maio com 25 ressalvas


A informação é do presidente do TCU, Benjamim Zymler, que hoje entrega a lista completa dos gestores, às 17h, à presidenta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Cármen Lúcia . “Este é um momento muito importante, porque dá consequência concreta ao julgamento das contas irregulares do TCU”, destacou o presidente do tribunal.

Zymler acrescentou que além da punição por multas e quitação dos débitos pendentes por causa de má gestão de recursos públicos, essas pessoas estarão inelegíveis. O ministro lembrou que todos os gestores tiveram suas contas julgadas em caráter definitivo, prerrogativa para que uma pessoa seja enquadrada na Lei da Ficha Limpa.

Saiba mais:  Sarney votará contas pendentes de FHC e Lula, diz TCU

“Realmente essa é uma consequência importante, e muito bem-vinda a possibilidade de tornar inelegíveis aqueles que não souberam lidar com o dinheiro público de forma adequada”, ressaltou Benjamim Zymler. O presidente do TCU lembrou que esses gestores tiveram direito, até a última instância, à ampla defesa.

O presidente do TCU entregou nesta terça-feira ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o relatório de análise das contas do governo federal. As ações da presidenta Dilma Rousseff em seu primeiro ano de gestão foram aprovadas com 25 ressalvas e 40 recomendações, já encaminhadas ao Executivo.

O relator, ministro José Múcio Monteiro, destacou que todas as ressalvas estão relacionadas a aspectos de conformidade da receita pública, da dívida pública, da execução do orçamento e das demonstrações contábeis.

Segundo o presidente do TCU, Sarney se comprometeu a colocar em votação nove contas dos governos dos ex-presidentes da República Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva que ainda estão pendentes.

Com Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG