Balanço aponta que pessoas tiveram suas contas julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas da União e, portanto, serão atingidos pela Lei da Ficha Limpa

Mais de 6 mil políticos que ocupam algum cargo de gestão no serviço público já estão inelegíveis por oito anos a contar das eleições municipais de outubro . Essas pessoas tiveram suas contas julgadas irregulares pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e, por isso, serão atingidos pela Lei da Ficha Limpa .

Leia também:  Candidatos que tiveram as contas rejeitadas em 2010 estão inelegíveis

Nova regra:  Norma do TSE cria insegurança jurídica, afirmam especialistas

Zymler esteve no Senado para entregar a conta do primeiro mandato de Dilma Rousseff , aprovado pelo TCU em maio com 25 ressalvas
Agência Brasil
Zymler esteve no Senado para entregar a conta do primeiro mandato de Dilma Rousseff , aprovado pelo TCU em maio com 25 ressalvas


A informação é do presidente do TCU, Benjamim Zymler, que hoje entrega a lista completa dos gestores, às 17h, à presidenta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Cármen Lúcia . “Este é um momento muito importante, porque dá consequência concreta ao julgamento das contas irregulares do TCU”, destacou o presidente do tribunal.

Zymler acrescentou que além da punição por multas e quitação dos débitos pendentes por causa de má gestão de recursos públicos, essas pessoas estarão inelegíveis. O ministro lembrou que todos os gestores tiveram suas contas julgadas em caráter definitivo, prerrogativa para que uma pessoa seja enquadrada na Lei da Ficha Limpa.

Saiba mais:  Sarney votará contas pendentes de FHC e Lula, diz TCU

“Realmente essa é uma consequência importante, e muito bem-vinda a possibilidade de tornar inelegíveis aqueles que não souberam lidar com o dinheiro público de forma adequada”, ressaltou Benjamim Zymler. O presidente do TCU lembrou que esses gestores tiveram direito, até a última instância, à ampla defesa.

O presidente do TCU entregou nesta terça-feira ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o relatório de análise das contas do governo federal. As ações da presidenta Dilma Rousseff em seu primeiro ano de gestão foram aprovadas com 25 ressalvas e 40 recomendações, já encaminhadas ao Executivo.

O relator, ministro José Múcio Monteiro, destacou que todas as ressalvas estão relacionadas a aspectos de conformidade da receita pública, da dívida pública, da execução do orçamento e das demonstrações contábeis.

Segundo o presidente do TCU, Sarney se comprometeu a colocar em votação nove contas dos governos dos ex-presidentes da República Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva que ainda estão pendentes.

Com Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.