Comissão fará votação dos pedidos de quebra de sigilos bancário, fiscal e telefônico de Marconi Perillo e Agnelo Queiroz

Estadão Conteúdo

selo

A CPI que investiga a relação do contraventor Carlinhos Cachoeira com autoridades e empresas marcou para esta quinta a votação dos pedidos de quebra de sigilos bancário, fiscal e telefônico dos governadores de Goiás, o tucano Marconi Perillo, e do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiroz. Os requerimentos serão votados um dia após Agnelo ir à CPI e assinar documento que consente a quebra de seus sigilos .

Assista ao vivo a sessão da CPI do Cachoeira

Leia também:  Aliados pressionam relator da CPI por convocação de Pagot e Cavendish

O governador do DF, Agnelo Queiroz, depôs à CPI do Cachoeira
Agência Brasil
O governador do DF, Agnelo Queiroz, depôs à CPI do Cachoeira

A permissão dada nesta quarta pelo petista ocorreu depois de o tucano ter recusado pôr seus sigilos à disposição da CPI . Na tentativa de minimizar sua atitude, Perillo telefonou para o líder do PSDB na Câmara, Bruno Araújo, para anunciar que também concordava com a abertura de suas contas.

Depoimentos:

Agnelo nega ter favorecido a Delta, se diz perseguido e abre sigilos à CPI

Governador de Goiás depõe por oito horas à CPI e nega relação com Cachoeira

Agnelo assinou o papel para quebra de seu sigilo depois de o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) o acusar de fazer "propaganda enganosa". "Pode ser só uma jogada de sua parte. O senhor não entregou nenhum documento para termos a transferência de sigilo", observou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.