CPI aprova quebra de sigilos de Perillo e Agnelo nos últimos dez anos

Aprovação formaliza disposição dos governadores de GO e DF de oferecer à comissão os dados bancários, fiscal e telefônico e encerra a disputa entre PT e PSDB sobre o caso

Reuters | - Atualizada às

Reuters

A CPI do Cachoeira aprovou nesta quinta-feira os requerimentos que pedem a quebra de sigilos bancário, fiscal e telefônico dos governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT) . As informações abrangem os últimos dez anos.

Assista ao vivo a sessão da CPI do Cachoeira

Leia também: Aliados pressionam relator da CPI por convocação de Pagot e Cavendish

Agência Brasil
O governador do DF, Agnelo Queiroz, depõe por quase dez horas à CPI do Cachoeira

A aprovação formaliza disposição dos dois governadores de oferecer à comissão essas informações e encerra um debate que dura semanas na CPI, envolvendo uma forte disputa entre PT e PSDB.

Agnelo: Governador do DF nega ter favorecido a Delta, se diz perseguido e abre sigilos 

Governador de Goiás: Perillo depõe por oito horas à CPI e nega relação com Cachoeira

Em depoimento à comissão na quarta-feira, Agnelo se dispôs a compartilhar seus sigilos dos últimos cinco anos, o que obrigou Perillo a fazer o mesmo.

Na terça-feira, quando o tucano foi à CPI mista ele tinha resistido a essa proposta de fornecer seus sigilos espontaneamente quando questionado pelo relator, deputado Odair Cunha (PT-MG). Contudo, depois que o petista anunciou que repassaria as informações à comissão, Perillo reformulou sua decisão.

A CPI do Cachoeira tem como base nas suas investigações as operações Vegas e Monte Carlo da Polícia Federal e pretende apurar as relações do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados.

Agência Senado
Marconi Perillo depõe por oito horas na CPI e nega elo com Cachoeira



    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG