Justiça desbloqueia bens de empresa ligada a Carlinhos Cachoeira

Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF1) decidiu desbloquear os bens da  indústria farmacêutica Vitapan, que já havia obtido liminar favorável no dia 26 de março

Agência Brasil | - Atualizada às

Agência Brasil

O Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF1) decidiu desbloquear os bens da indústria farmacêutica Vitapan, ligada ao empresário goiano Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, alvo de CPI no Congresso Nacional. Os bens foram bloqueados devido aos desdobramentos da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, que apurou esquemas de corrupção que seriam controlados pelo empresário.

Leia mais: Desembargador considera ilegais grampos da Operação Monte Carlo

A Segunda Sessão da corte analisou liminar favorável à Vitapan, concedida pelo relator do processo, desembargador Fernando Tourinho Neto, no dia 26 de março. A maioria dos magistrados seguiu entendimento de Tourinho, para quem a decisão sobre o bloqueio de bens não foi bem fundamentada.

“À Vitapan não está sendo imputada a prática de qualquer crime. Não há demonstração de desvio da empresa, nem confusão patrimonial com seus sócios. Deste modo, os bens da impetrante não poderiam ter sido bloqueados”, alegou Tourinho no voto apresentado à turma.

O sócio majoritário da Vitapan até 2004 era o próprio Cachoeira. Naquele ano, ele deixou a empresa após se divorciar de Andréa Aprígio de Souza. Atualmente, ela tem 95% das cotas, e os 5% restantes são do irmão da ex-mulher, Adriano Aprígio de Souza.

O desembargador Ítalo Mendes foi o único que votou pela manutenção do bloqueio de bens. Segundo a Procuradora Regional da República da 1ª Região, o procurador Carlos Alberto Vilhena estuda se vai recorrer da decisão.

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeiracarlinhos cachoeiraTRF1vitapan

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG