Campanha tucana em São Paulo passou a 'terceirizar' para o partido a exploração de assuntos polêmicos e que não constam da agenda municipal

Estadão Conteúdo

selo

O pré-candidato tucano à Prefeitura de São Paulo, José Serra, passou a "terceirizar" para o PSDB a exploração de assuntos polêmicos e que não constam da agenda municipal. Para evitar nacionalizar a disputa eleitoral deste ano e se poupar, o líder nas pesquisas de intenção de voto tem se blindado de temas controversos.

A exploração política da greve nas universidades federais , do julgamento do mensalão e da polêmica entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, por exemplo, foi delegada a dirigentes do PSDB e a líderes tucanos no Congresso. Mas o tom dos ataques aos adversários e até as notas divulgadas à imprensa passam pelo crivo da assessoria de comunicação da campanha.

Leia também: PSDB aproveita greve nas universidades federais para atacar Haddad

PSDB nacional fez ataques aos projetos de Educação de Haddad, rival de Serra nas eleições de São Paulo
AE
PSDB nacional fez ataques aos projetos de Educação de Haddad, rival de Serra nas eleições de São Paulo


O objetivo é acentuar a relação do tucano com temas municipais, já que sua imagem ainda estaria "contaminada" pela disputa nacional de 2010. Também visa a preservar Serra, que ao deixar de ser o emissário dos ataques passaria, então, a candidato "paz e amor", expressão usada por Lula na campanha de 2002, quando liderava as pesquisas e evitava entrar em confronto com outros candidatos.

Na semana passada, o pré-candidato se manteve longe de polêmicas. Mas em nome dele o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, o líder do partido no Senado, Álvaro Dias (PR), e o vereador paulistano Floriano Pesaro responsabilizaram o pré-candidato Fernando Haddad (PT), ex-ministro da Educação, pela greve das universidades federais, em um movimento que teve como origem o QG da campanha serrista. "A gestão dele não o credencia a ser prefeito", chegou a dizer Guerra.

Saiba mais:  Em momento chave das eleições, PSDB ataca Lula

Há dez dias, tucanos organizaram um ato de desagravo a Mendes, depois que o ministro disse ter sido pressionado por Lula para postergar o julgamento do mensalão . O encontro foi esvaziado após a coordenação da campanha avaliar que, mesmo encabeçado por parlamentares, respingaria em Serra. "Qualquer movimento ligando o candidato a tema nacional tira a legitimidade da candidatura a prefeito. Cria uma névoa. E é isso que queremos evitar", disse um tucano.

Nacional

Para Guerra, os temas nacionais não serão o centro da eleição municipal, embora assuntos como o mensalão ajudem a oposição como um todo, "desde que não haja partidarização". "Transformar a discussão sobre o mensalão em campanha não ajuda ninguém", afirmou. Segundo o tucano, a questão perderá importância se o eleitor a interpretar como luta partidária.

Para o PT, a nacionalização do debate por tucanos, em nome de Serra, não atrapalha o petista. "Haddad não tem nada a ver com o mensalão. Sempre esteve distante disso. Não vai afetar em nada", avaliou o coordenador da campanha, Antonio Donato. "Já fizeram isso e não deu certo em 2010. Não vai dar de novo."

Segundo o vereador José Américo (PT), em eleições passadas a sigla encomendou pesquisas que detectaram que a pecha do mensalão não teria influência sobre seus candidatos - em 2010, por exemplo, Dilma Rousseff não foi "contaminada" pelo caso. Na visão do PT, o eleitorado isentaria Lula pelo mensalão. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.