Prefeito de Recife contesta intervenção do PT nas eleições

Executiva nacional anulou prévias e impôs o nome do senador Humberto Costa como candidato do partido na capital pernambucana

Agência Estado |

Agência Estado

Priscilla Buhr/JC Imagem/AE
O prefeito de Recife, João da Costa, recorre da decisão do PT

O prefeito de Recife, João da Costa, entrou na tarde desta segunda com recurso ao Diretório Nacional do PT, pedindo revisão da decisão da executiva nacional do partido que impôs o nome do senador Humberto Costa como candidato à prefeitura da capital. Ele quer ter seu nome homologado como candidato à reeleição.

Recife: Imposto pelo PT, Humberto Costa quer se reconciliar com prefeito

O recurso foi enviado por e-mail, encaminhado por Sedex e seria protocolado por um representante na sede do partido, em São Paulo, para evitar problema de recebimento. De acordo com o ex-presidente estadual do PT Jorge Perez o recurso se baseia em dois principais argumentos: João da Costa seguiu todos os procedimentos regimentais para a definição do candidato petista à prefeitura - não havendo, portanto, motivo para a intervenção - e foi comunicado da decisão do partido sem direito a defesa. "Ele estava presente à reunião da executiva, em São Paulo, que decidiu impor o nome de Humberto, sem direito a se defender ou argumentar", observou Perez.

Poder Online:  João da Costa não deve apoiar o candidato do partido em Recife

"O prefeito participou e ganhou da primeira prévia (anulada pela executiva nacional por divergências das listas de filiados) e uma segunda prévia foi determinada pela direção nacional", relembrou ele. "Como o outro pré-candidato, Mauricio Rands, desistiu, o prefeito deveria ter sido homologado, como determina o estatuto". Para Perez, neste caso, a direção nacional passou por cima de sua própria decisão.

Leia mais: Humberto Costa é o candidato do PT à Prefeitura de Recife

No âmbito político, o grupo de João da Costa destaca que a executiva nacional impôs o nome de Humberto Costa argumentando que, ao contrário do prefeito, o senador teria condições de unir o partido e as legendas aliadas da Frente Popular. "Não é isso o que vemos", complementou Perez, ao citar o PSB, do governador Eduardo Campos. O governador exonerou, semana passada, quatro secretários estaduais de sua confiança como alternativas para o lançamento de candidato próprio caso o PT não consiga a união interna.

São Paulo:  PT pode fechar com Erundina ou Leci Brandão na vice

Humberto Costa é da tendência majoritária Construindo um Novo Brasil (CNB) e tem o apoio do ex-presidente Lula. Embora afirme estar tranquilo e confiante quanto à construção da unidade, o PT pernambucano continua rachado. Suas divergências internas foram cruamente expostas principalmente na realização das prévias - posteriormente anuladas -, quando discursos duros e acusações foram trocados. Os apoiadores do prefeito destacam, ainda, que ao ser preterido pela direção nacional, João da Costa tem conseguido conquistar a simpatia do eleitorado em geral.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG