Justiça do DF revoga prisão de ex-diretor da Delta

Cláudio Abreu, um dos alvos das investigações que envolvem Cachoeira, terá de entregar o passaporte, comparecer em juízo e não pode manter contato com outros réus do caso

Agência Estado |

Agência Estado

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) informou nesta sexta-feira que a juíza da 5ª Vara Criminal de Brasília revogou a prisão preventiva de Cláudio Abreu , ex-diretor da construtora Delta no Centro-Oeste, um dos alvos das investigações que envolvem o bicheiro Carlos Cachoeira. Foram estabelecidas algumas medidas cautelares em substituição à custódia preventiva.

Leia mais:  Ex-diretor da Delta consegue liminar no STF para ficar em silêncio

Entenda:  Ex-diretor da Delta e vereador de Anápolis são presos em Goiás

AE
Na CPI, o ex-chefe da Delta no Centro-Oeste Cláudio Abreu conseguiu no STF o direito de ficar calado

Conforme a decisão tomada nesta sexta-feira, Abreu deve comparecer mensalmente perante o juízo, entre os dias 10 a 15, "independentemente de intimação e até a prolação da sentença".

Distrito Federal:  Às vésperas de depor à CPI, Agnelo rompe contrato da Delta

Foi também determinado que ele se abstenha de manter qualquer espécie de contato com os demais réus e também com outras pessoas citadas na denúncia original. Abreu também deverá entregar seu passaporte e manter seu endereço atualizado nos autos. "O descumprimento de qualquer das medidas poderá ensejar novo decreto de prisão", estabeleceu a decisão.

A defesa de Abreu alegou, ao pedir a revogação da prisão, que "não se fazem presentes os pressupostos da prisão cautelar, sendo o requerente merecedor do benefício de responder ao processo em liberdade uma vez que é primário e possui endereço fixo".

Governador de Goiás:  Após acusações, Perillo exonera servidor de confiança

A defesa argumentou também que não há provas de materialidade do fato e nem indícios suficientes de sua autoria nos delitos, "uma vez que não consta nas interceptações telefônicas qualquer gravação com sua voz, não havendo quaisquer indícios de sua participação nos crimes de tráfico de influência e formação de quadrilha".

Presidente da CPI:  Depoimento de empresário complica Perillo

O Ministério Público manifestou-se pelo indeferimento do pedido, mas a juíza considerou que a liberdade do requerente não representa risco à ordem pública, "visto que não é mais diretor da empresa Delta e, ainda que fosse, os crimes que lhe foram imputados são de conhecimento nacional, de maneira que dificilmente conseguiria praticar novas condutas semelhantes".

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG