PSDB aproveita greve nas universidades federais para atacar Haddad

Em nota, Sérgio Guerra diz que petista deixou 'herança maldita' na Educação e só fez 'universidades no papel'

iG São Paulo | - Atualizada às

O presidente nacional do PSDB, Sérgio Guerra, divulgou nesta quarta-feira uma nota à imprensa criticando o governo federal pela greve que atinge as universidades federais e aproveitou para atacar o candidato petista às eleições em São Paulo, Fernando Haddad , que foi ministro da Educação entre 2005 e 2012.

Paralisação:  UFABC e Cefet-Rio aderem à greve dos professores federais

Ag%C3%AAncia%20Estado
Sérgio Guerra divulgou nota à imprensa nesta quarta-feira


No texto, Guerra diz que a situação nas universidades, apesar de lamentável não é surpreendente, e que os feitos do petista no setor se limitaram a "muita ação de marketing".

"Quando esteve à frente do Ministério da Educação, Fernando Haddad, do PT, já havia atrapalhado a vida de milhões de jovens que queriam chegar à universidade, em razão dos sucessivos problemas registrados na aplicação das provas do Enem", afirma.

Leia também:  PT lança Haddad em megaevento com ataques a Serra

O tucano acrescenta que a gestão do ex-ministro deixou uma "herança maldita" na administração das federais e que "só fez universidades no papel". "Por incrível que pareça, o planejamento do Reuni (Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão da Universidades Federais) conseguiu ficar pior do que o do Enem", diz.

Ele termina o texto mencionando o PT, que, segundo sua avaliação, tratou com "desprezo" a situação.

A greve nas universidades federais já dura 21 dias e atinge 51 das 59 instituições de ensino federais . Além da paralisação total ou parcial, professores e estudantes saíram as ruas para protestar. Uma manifestação ocorrida na manhã de ontem em frente ao Ministério da Educação (MEC) terminou em confusão e quebra-quebra . Um grupo tentou invadir o prédio e quebrou janelas e vidraças.

A principal reivindicação dos docentes é a revisão do plano de carreira. Em acordo firmado no ano passado, o governo prometeu um reajuste de 4%, a incorporação de parte das gratificações e a revisão do plano para 2013.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG