Irmão de Demóstenes será investigado por Conselho do Ministério Público

Benedito Torres será investigado sob suspeitas de praticar tráfico de influência em benefício ao grupo comandado por Carlinhos Cachoeira

Agência Estado |

Agência Estado

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) vai investigar o envolvimento do procurador-geral de Goiás, Benedito Torres, irmão do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO, atualmente sem partido), com o grupo comandado por Carlinhos Cachoeira.

Leia também:  Promotores suspeitam de espionagem no Ministério Público em Goiás

Saiba mais: Demóstenes constrange Ministério Público

A portaria foi publicada no último dia 29. O corregedor nacional do MP, Jeferson Luiz Pereira Coelho, entendeu, após analisar a reclamação disciplinar, que havia elementos suficientes para instaurar uma sindicância e aprofundar as apurações. Segundo o CNMP, a investigação apura se houve tráfico de influência.

Coelho também vai acompanhar os desdobramentos da representação encaminhada por promotores à Corregedoria do MP goiano sobre um suposto esquema de espionagem montado no órgão. Membros do Ministério Público denunciaram que um programa de computador oculto permitia acesso livre e irrestritos às máquinas.

Promotores que atuam no combate ao crime organizado e nas investigações relacionadas à Delta Construções em Goiás foram alvo do software espião.

Membros da CPI vão cobrar explicações de Torres sobre o programa espião. O deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP) vai apresentar requerimento para que o procurador de Goiás explique, por ofício, o funcionamento do software e como foi usado. "Os membros do MP são resguardados pela autonomia funcional. Não tem sentido esse tipo de bisbilhotice", defende o parlamentar.

Ação de Cachoeira no MPE-GO: 'Ele tinha informantes ao lado do meu gabinete', diz promotor

Análise: O que está em jogo na CPI do Cachoeira

Autor da convocação de Torres, o deputado Rubens Bueno (PPS-PR) pediu aos técnicos do partido uma análise sobre o software. "Queremos saber quais as intenções para entrar e acompanhar o trabalho dos promotores. É uma denúncia muito grave, ainda mais porque alguns promotores estão investigando a Delta."

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) vai sugerir que os promotores deponham.

Negativa

O MP de Goiás nega qualquer iniciativa de espionagem. Em nota dos técnicos de informática, o órgão afirma que o sistema só pode ser usado com o consentimento do usuário. O procurador-geral Benedito Torres nega qualquer relação como grupo de Cachoeira e prometeu colaborar com as investigações. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG