Ex-assessora de Perillo também poderá ficar calada na CPI, diz ministro do STF

Celso de Mello garantiu direito a  Eliane Gonçalves, ex-chefe de gabinete do governador goiano Marconi Perillo (PSDB)

Agência Brasil |

Agência Brasil

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira ficará sem dois dos quatro depoimentos esperados hoje (5) devido a intervenções dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Depois da decisão do ministro Luiz Fux, que garantiu à professora Sejana Martins o direito de ficar calada, Celso de Mello também deu salvo-conduto à gestora Eliane Gonçalves, ex-chefe de gabinete do governador goiano Marconi Perillo (PSDB).

Leia também: CPI só analisará convocações e quebras de sigilo após governadores falarem

O ministro atendeu, em parte, o pedido dos advogados de defesa de Eliane , que também queriam adiar a sua convocação na CPMI. Eles pediam pelo menos dez dias para estudar todas as provas colhidas pela comissão parlamentar que poderiam incriminar sua cliente no futuro, o que foi negado por Mello. Na atual convocação, Eliane iria depor apenas como testemunha.

Mello também garantiu que a gestora não assine nenhum termo de compromisso para falar a verdade e que não seja presa por se recusar a colaborar. O ministro também determinou que ela seja assessorada por seu advogado durante o depoimento na CPMI.

Liberdade: Justiça decide soltar Dadá, apontado como 'espião' de Cachoeira

Considerada por seus advogados como “co-investigada” no esquema de corrupção montado montado pelo empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, acusado de explorar jogos ilegais, Eliane é acusada de repassar informações sigilosas de operações policiais a políticos goianos.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG