PSB espera definição em Recife para apoiar Haddad

Pré-candidato petista à Prefeitura de São Paulo esquivou-se de comentar o impasse envolvendo a definição da candidatura do PT e a aliança com o PSB na capital de PE

AE |

selo

O pré-candidato petista à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, esquivou-se de comentar o impasse envolvendo a definição da candidatura do PT e a aliança com o PSB no Recife. "Isso está a cargo do diretório nacional. Eu não estou acompanhando a discussão com o PSB nacional", afirmou o ex-ministro após participar na tarde da última quinta-feira de uma sabatina na Rede Record. À noite, Haddad acompanhou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que participou do Programa do Ratinho no SB T.

Leia mais: 'Não permitirei que um tucano volta a presidir o Brasil', diz Lula

Leia também: Prefeito do Recife contraria PT e mantém candidatura

Saiba mais: PT quer anunciar Humberto Costa como pré-candidato no Recife

A definição da candidatura no Recife é uma pendência para que o PT feche a aliança com os socialistas na capital paulista, o que será a primeira da campanha de Haddad.

Um acordo entre os partidos propunha a pré-candidatura do senador Humberto Costa (PT) como nome de consenso. Os petistas já teriam conseguido convencer o secretário do governo do Estado, Maurício Hands, a desistir das prévias e, agora, precisavam fazer o mesmo com o atual prefeito de Recife, João da Costa, disposto a disputar a reeleição. O prefeito, no entanto, afirmou não ver motivos para abrir mão da candidatura e se diz convicto de ser o melhor nome da sigla na cidade.

Impasse

Com o impasse, a Executiva Nacional do PT se reunirá em São Paulo na próxima terça-feira, dia 5, para escolher quem será o candidato do partido no Recife.

A intenção do PT era ter as costuras de aliança encerradas no sábado, quando ocorrerá o encontro municipal. No evento, que reunirá petistas da capital paulistana, o partido anunciará oficialmente a candidatura de Fernando Haddad. Além disso, também será definida a chapa de vereadores.

Apesar da demora na formação da coligação contrariar o desejo inicial do PT, Haddad mostra-se paciente. "Temos que respeitar o tempo de cada partido. Não temos pressa."

Os partidos têm até 30 de junho para definir as alianças e apoios. Segundo o petista, não se espera nenhuma surpresa para o dia do encontro. Além do PSB, há a possibilidade de coligação com o PC do B, que mantém, até o momento, a pré-candidatura do vereador Netinho de Paula. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG