Delta vai ao STF para impedir quebra de sigilo aprovada pela CPI

Defesa da construtora rebate pedido de quebra de sigilo nacional alegando que as irregularidades dizem respeito à filial do Centro-Oeste

Agência Brasil |

Os advogados da Delta Construções entraram com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira para tentar impedir a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico da empreiteira . A quebra dos sigilos foi aprovada esta semana pela CPI do Cachoeira, que apura denúncias de corrupção envolvendo o empresário goiano Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

Leia mais: Quebra de sigilo da Delta na CPI provoca atrito entre PMDB e PT

CPI: Aprovada quebra de sigilo da Delta nacional

Segundo a defesa da Delta, a CPI não fundamentou a decisão de violar os sigilos da empresa. “A citação de reportagens jornalísticas sobre o suposto crescimento financeiro da empresa Delta, por si só, não é fundamento para se devassar as ligações telefônicas efetivadas pelos 30 mil funcionários”, argumentam os advogados.

No mandado de segurança, os advogados alegam ainda que o único elo entre Cachoeira e a construtora encontrado pela CPI é a filial do Centro-Oeste, o que não justifica a quebra de sigilo dos dados nacionais da empresa.

Eles também criticam a abrangência do período da devassa dos dados, de 2002 até hoje, pois acreditam que a única suspeita apontada pela CPI, a cooptação de dinheiro ilícito para campanha eleitoral, ocorreu em 2010.

Os advogados pedem decisão liminar devido ao risco de “dano de difícil reparação”. A relatora do caso é a ministra Rosa Weber.

    Leia tudo sobre: cpi do cachoeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG