TRF suspende audiências de Cachoeira na Justiça de Goiás

Na liminar, desembargador acatou tese dos advogados do contraventor de que houve "cerceamento da defesa"

iG São Paulo |

O desembargador federal Tourinho Neto, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, suspendeu as audiências de instrução, marcadas para esta quintae sexta-feira, na Justiça Federal de Goiânia, do processo envolvendo Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira e outros réus. A decisão, tomada às 22h de quarta-feira, só foi divulgada pela manhã desta quinta.

Leia também: Advogados entram com novo pedido de liberdade de Cachoeira

AE
Carlinhos Cachoeira está preso desde fevereiro de 2012

Demóstenes: CPI quebra sigilos bancário, fiscal e telefônico de senador

Governadores: CPI aprova convocação de Perillo e Agnelo, mas poupa Cabral

Na liminar, o desembargador atendeu parcialmente a um pedido de habeas corpus da defesa de Cachoeira. A tese dos advogados é a de que houve cerceamento da defesa. Eles alegam que não houve tempo para conversar reservadamente com o cliente e que o desmembramento do processo é prejudicial, porque outros envolvidos na investigação serão ouvidos em outra ocasião. A defesa de Cachoeira é liderada pelo ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos.

Atualmente, Carlinhos Cachoeira está detido no Presídio da Papuda, em Brasília . Apesar de o pedido ser apenas para Cachoeira, a decisão atingiu a todas as 14 testemunhas e os oito réus que iriam depor.

Justiça: STJ decide manter prisão de Carlinhos Cachoeira

Na decisão, o desembargador alega que o processo não pode continuar enquanto as companhias telefônicas não fornecerem dados complementares e enquanto não houver pelo menos quatro horas de conversa privada entre Cachoeira e seus advogados, sem a supervisão de agentes da Polícia Federal. A decisão liminar ainda pode ser revista pelo TRF da 1ª Região.

Nesta quinta pela manhã, agentes da Polícia Federal (PF) ainda faziam a segurança do prédio da Justiça Federal onde ocorreriam os depoimentos. Mas eles se retiraram quando se confirmou que os depoimentos das testemunhas também estavam suspensos.

Embora a operação Monte Carlo tenha resultado na denúncia de 81 pessoas, o processo foi desmembrado para que sejam julgados primeiro os réus que estão presos preventivamente, e por isso têm preferência no andamento processual.

Com Agência Estado, Agência Brasil e Valor Online

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG