MP quer reverter suspensão de audiências de Cachoeira na Justiça

Alvo de CPI no Congresso, contraventor está preso desde o dia 29 de fevereiro como resultado da Operação Monte Carlo, que apurou exploração ilegal de jogos em Goiás

iG São Paulo |

Procuradores de Goiás e do Distrito Federal se debruçaram sobre o processo que corre na Justiça Federal em Goiás contra o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, alvo de investigação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) no Congresso Nacional. Nesta quinta-feira, eles estudaram a melhor forma de reverter a decisão judicial que suspendeu audiências relativas ao processo, que ocorreriam hoje e na sexta-feira, mas ainda não decidiram que estratégia adotarão.

Leia mais: TRF suspende audiências de Cachoeira na Justiça de Goiás

Leia também: Advogados entram com novo pedido de liberdade para Cachoeira

Mais CPI: Comissão marca datas dos depoimentos de Perillo e Agnelo

Os depoimentos de 14 testemunhas e oito réus, entre eles Cachoeira, foram suspensos por decisão liminar do desembargador Fernando Tourinho Neto, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1). Concedida na noite de quinta-feira, a liminar atendeu ao pedido dos advogados de Cachoeira, que alegaram cerceamento de defesa.

Leia mais: Demóstenes fica calado em CPI e provoca bate-boca entre parlamentares

Leia também: Saiba quem é o deputado que se exaltou e xingou senador na CPI

Para o procurador Carlos Alberto Vilhena, recorrer ao TRF1 contra a decisão do desembargador não terá efeitos práticos agora, já que o plenário só deve analisar o pedido daqui a pelo menos uma semana. “Não há mais a possibilidade de os depoimentos marcados para hoje e amanhã acontecerem”, resumiu Vilhena, em nota da Procuradoria Regional da República da Primeira Região (PRR1).

Enquanto o Ministério Público ainda estuda estratégias, a defesa de Cachoeira definiu que a libertação do contraventor é prioridade neste momento. Ele está preso desde o dia 29 de fevereiro como resultado da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, que apurou esquema de corrupção e de exploração ilegal de jogos em Goiás. 

Com Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG