Ministra destacou a diferença entre pequenos e grandes proprietários rurais colocada na Medida Provisória

selo

A ministra-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, reuniu-se nesta quinta-feira com os líderes dos partidos da base aliada no Congresso, para apresentar a eles a razão dos vetos da presidenta Dilma Rousseff ao texto aprovado pela Câmara do Código Florestal.

Leia também: Dilma publica justificativas aos vetos do Código Florestal

Ideli Salvatti se reuniu com a base para explicar vetos ao Código Florestal
AE
Ideli Salvatti se reuniu com a base para explicar vetos ao Código Florestal

Saiba mais: Dilma veta 12 pontos do Código Florestal e derruba anistia a desmatador

Leia mais: 'O que a gente queria era o veto total', lamenta Greenpeace

Segundo a Secretaria de Imprensa da Presidência, a ministra Ideli destacou a diferença entre pequenos e grandes agricultores rurais feita no Código Florestal.

Ideli disse também que não só ela, mas todos os ministros envolvidos na discussão do texto se ofereceram para ir ao Congresso dar os esclarecimentos necessários sobre a matéria, especialmente na comissão mista, que será instalada na próxima terça-feira para discutir a Medida Provisória, assinada por Dilma, para suprir as lacunas na legislação, depois do veto presidencial.

Além de Dilma, estavam presentes na reunião com os líderes os ministros da Agricultura, Mendes Ribeiro; do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas; e do Meio Ambiente, Izabella Teixeira. Pelo lado das lideranças, além dos representantes do governo no Congresso - José Pimentel, Eduardo Braga e Arlindo Chinaglia -, estavam presentes na reunião os líderes do PT, PDT, PSB, PSB, PRB, PR, PMDB e PP.

O ministro Pepe Vargas acredita que o governo não terá problemas no Congresso com a "escadinha" criada pelo governo para definir quem tem de preservar que área. Pepe, que participou da reunião de quarta-feira de Dilma com os integrantes do movimento Grito da Terra, ressalvou que todos terão de contribuir para recuperar o meio ambiente, mas que as maiores propriedades terão que recompor mais.

Ambientalistas: Vitória do Veta, Dilma independe de decisão sobre Código

A "escadinha" se refere à recuperação proporcional ao tamanho da propriedade rural e à largura do rio em questão. Para os rios com até 10 metros de largura, por exemplo, deve ser recuperada uma área entre 5 metros e 30 metros nas margens. Para rios com largura de mais de 10 metros, a recuperação varia de 5 metros a 100 metros.

"Dificilmente alguém será contra a proposta da escadinha", comentou ele, ao lembrar que o texto do governo beneficiou os agricultores que têm até quatro módulos fiscais, que representam 90% das propriedades rurais. Ele lembrou ainda que 74% da mão-de-obra empregada no campo é na agricultura familiar.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.