Governo teme que eleições atrapalhem votação do Código Florestal

Tramitação da Medida Provisória, que vence no meio da eleição, foi o principal tema de reunião desta quinta no Palácio do Planalto

iG São Paulo |

O governo está preocupado com a possibilidade de as eleições municipais atrapalharem a votação do Código Florestal. Segundo o senador Walter Pinheiro (PT-BA), o rito da tramitação da Medida Provisória, editada para preencher a lacuna dos vetos aplicados ao texto aprovado pelo Congresso, foi o principal tema da reunião desta quinta-feira, no Palácio do Planalto, entre os líderes do governo e da base aliada, com os quatro ministros que participaram da negociação do Código. Pinheiro lembrou que há uma fila de MPs para serem votadas na frente desta e que certamente muitas emendas serão apresentadas ao texto, o que atrasará a sua apreciação.

Leia mais: Dilma publica justificativas para os vetos do Código Florestal

Leia também: Presidenta veta 12 pontos do Código e derruba anistia a desmatador

Repercussão: 'O que a gente queria era o veto total', lamenta coordenador do Greenpeace

"Esta MP vence no meio da eleição e vai enfrentar um período crítico porque, como é um tema polêmico, que vai receber muitas emendas, será difícil conseguirmos convocar deputados e senadores para votar em agosto ou setembro", afirmou o senador petista. Pinheiro lembrou ainda que o ideal seria conseguir votá-la antes do recesso parlamentar de 15 de julho.

Somente depois da instalação, na terça-feira da semana que vem, da Comissão Especial que vai examinar a Medida Provisória, é que o governo terá uma sinalização mais clara que como será o rito de tramitação do texto. 

Na reunião com os líderes do governo e da base aliada, os ministros da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, da Agricultura, Mendes Ribeiro, do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, e do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, apresentaram a eles a razão dos vetos da presidenta Dilma Rousseff, ao texto aprovado pela Câmara do Código Florestal. Todos se ofereceram para ir ao Congresso Nacional dar os esclarecimentos necessários aos parlamentares sobre a matéria, especialmente na comissão mista que discutirá a matéria.

Com Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG