Demóstenes fica calado na CPI e provoca briga entre parlamentares

Deputado Silvio Costa chama Demóstenes de "hipócrita" e xinga outro parlamentar; com quebra-pau, presidente da CPI dispensa depoente e encerra sessão

Fred Raposo, iG Brasília |

Como já era esperado, o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) usou seu direito constitucional de permanecer em silêncio durante a sessão da CPI do Cachoeira , alegando que já havia apresentado sua defesa na terça-feira durante depoimento no Conselho de Ética do Senado, o que deixou muitos parlamentares irritados. A decisão de Demóstenes provocou um quebra-pau entre os membros da comissão, que levou o presidente, Vital do Rêgo (PMDB) a encerrar a sessão.

Saiba mais: Quem é o deputado que se exaltou e xingou um senador na CPI

O bate-boca entre o deputado Silvio Costa (PTB-PE) e o senador Pedro Taques (PDT-MT) começou quando o matogrossense interrompeu o líder petebista na comissão, durante sua interpelação a Demóstenes. “Vossa Excelência tem que ser educado”, disse Costa. Neste momento, o presidente da CPI passou a palavra a Taques. O pedetista reclamou que Costa, que chamou Demóstenes de “membro de quadrilha” e “braço legislativo” do esquema Cachoeira, estava ofendendo o investigado.

O silêncio na CPI:

Ex-diretor da Delta permanece em silêncio e é dispensado da CPI

Para evitar novo 'silêncio', CPI dispensa dois acusados

CPI encerra sessão após pouco mais de duas horas de ‘silêncio’ de Cachoeira

“Um parlamentar não pode tratar quem quer que seja com indignidade, não me interessa quem seja o investigado”, argumentou Taques. “Não cabe a qualquer parlamentar expor o outro, mesmo em se tratando de CPI, mesmo em se tratando de um cidadão que está sendo acusado”.

Costa retomou a palavra e respondeu a Taques: "Você é metido a paladino da ética. Deselegante, interrompe minha fala para fazer uma questão de ordem sem começo, meio e fim". E tornou a ofender Demóstenes, chamando-o de “hipócrita” e “demagogo”. Vital então liberou o goiano do depoimento e os parlamentares voltaram a trocar acusações. “Vossa excelência não me meça pela sua régua”, disse Taques a Costa.

No Conselho de Ética: Demóstenes nega usar mandato a serviço de Cachoeira

TV iG: Em defesa, Demóstenes diz ter 'reencontrado Deus'

“A sua régua é menor do que a minha”, rebateu Costa, que partiu para cima de Taques e colocou o dedo indicador no rosto do colega, que se encontrava sentado na segunda fila.

Neste momento, o presidente da CPI encerrou a sessão. Os demais parlamentares entraram em campo para separar os dois, mas a discussão continuou. “Não faço parte da sua Chacrinha”, rebateu Taques. “F... Você é um merda”, esbravejou Costa. Já com a sessão encerrada, o deputado ainda rondou a Mesa da CPI, antes de deixar o plenário.

Wildes Barbosa/O Popular/AE
Deputado Silvio Costa (PTB-PE) e o senador Pedro Taques (PDT-MT) bateram boca na CPI


Após a briga, parlamentares prestaram solidariedade a Taques, que disse ao iG que não pretende representar contra Costa por quebra de decoro. “Não vou apresentar representação por quebra de decoro por quem não tem decoro”, concluiu.

Poder Online: Pedro Taques fala sobre encontro com Silvio Costa após briga na CPI

Ataque a Demóstenes

Pouco antes da briga com Taques, o deputado Silvio Costa (PTB-PE) atacou o senador Demóstenes, que é acusado de praticar tráfico de influência em favor do esquema orquestrado por Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Citando o depoimento de Demóstenes no Senado , em que o senador se disse "um carola" que "redescobriu Deus", Costa afirmou que "se o céu existir, e eu tenho certeza que existe, o senhor não vai para o céu, porque o céu não é lugar de mentiroso. O céu não é lugar de gente hipócrita."

Em outro momento de ataque a Demóstenes, Silvio Costa falou aos berros: "Vou lhe chamar agora de ex-futuro senador da República. Porque com esse silêncio vai conseguir 80 votos e ter seu mandato cassado.  Você é um demagogo, um hipócrita. Trabalhou contra o País. Você devia ser processado pelo Conar por propaganda enganosa."

Antes de Silvio Costa, o deputado Luiz Pitiman (PMDB-DF) também protestou contra o silêncio do senador. "Essa sua maneira de agir em nada contribui para tudo o que temos lido, tudo o que temos ouvido, tudo o que temos investigado. É muito ruim para o Congresso ter aqui um senador que quer ficar calado. Não é você que não tem nada a responder, sou eu que não tenho nada a perguntar."

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG