CPI do Cachoeira marca datas dos depoimentos de Perillo e Agnelo

Governador de Goiás comparecerá na comissão no dia 12 de junho, enquanto governador do Distrito Federal, no dia 13

iG São Paulo |

A CPI do Cachoeira marcou para o dia 12 de junho o depoimento do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e para o dia 13 o do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT). De acordo com o presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), as datas já foram acertadas com os dois depoentes.

L eia também: CPI aprova convocação de Perillo e Agnelo, mas poupa Cabral

Saiba mais: CPI adia votação sobre quebra de sigilo de Perillo e deputados

AE
O governador de Goiás, Marconi Perillo, comparecerá à CPI no dia 12 de junho

As convocações dos governadores foram aprovadas na quarta-feira, que rejeitou a convocação do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB). Perillo foi convocado com decisão unânime. Ontem, ele já havia informado à CPI que gostaria de prestar depoimento.

Já a convocação de Agnelo foi aprovada por 16 votos favoráveis e 12 votos contrários. Em relação ao pedido de convocação de Cabral, 17 parlamentares foram contra e 11 a favor do seu comparecimento à CPI.

Perillo enfrenta a suspeita de que teria negociado um imóvel com Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, por intermédio do ex-vereador do PSDB Wladimir Garcez , um dos poucos depoentes que prestou algum esclarecimento à CPI até agora, mesmo não tendo respondido aos questionamentos dos parlamentares. Cachoeira está preso desde fevereiro acusado de comandar um esquema de jogos ilegais.

A Polícia Federal também acusa Perillo de nomear pessoas indicadas por Cachoeira para órgãos do governo. Durante a sessão de ontem, o governador compareceu ao Congresso e se dispôs a explicar aos seus colegas sobre as acusações.

Poder Online: Tenho minha vida limpa e estou tranquilo, diz Perillo

Queiroz deve ter que explicar a relação de membros do seu governo com Cachoeira , já que não há menção nas investigações da PF que apontem uma ligação direta do petista com o contraventor. Cláudio Monteiro, chefe de gabinete do governador, pediu demissão depois de ser citado em gravações por dois supostos integrantes do grupo de Cachoeira.

A maior parte dos parlamentares que pouparam Cabral de convocação nesta quarta-feira, alegaram que, agora que foi aprovada a quebra de sigilo da empresa Delta, em âmbito nacional, é necessário um exame mais detalhado desses documentos, antes de chamar o governador à sessão.

Cabral apareceu em fotos em festas em Paris com secretários estaduais e com o empresário Fernando Cavendish, ex-proprietário da Delta e amigo pessoal do governador. A empreiteira já recebeu R$ 1,49 bilhão em contratos com o governo do Rio durante a gestão Cabral. As fotos das confraternizações em Paris foram reveladas pelo blog do deputado federal Anthony Garotinho (PR), adversário de Cabral.

Com Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG