Presidente do STF quer 'definir logo' julgamento do mensalão

Ayres Britto afirma que Supremo precisa evitar desgastes com demora na análise do caso, que deve entrar na pauta em agosto

Wilson Lima, iG Brasília |

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ayres Britto, afirmou nesta quarta-feira que é necessário definir “logo” a data do julgamento do mensalão para evitar novos desgastes para o poder Judiciário. Segundo o ministro Ayres Britto, no entanto, uma data somente será estipulada após a o ministro revisor, Ricardo Lewandowski, disponibilizar o processo para pauta de julgamentos.

Mensalão: Julgamento coincidirá com início da propaganda eleitoral

Leia mais: É preciso colocar os pingos nos 'is', diz corregedora do CNJ sobre Lula e Mendes

Os ministros esperam há pelo menos três meses o término da revisão de Lewandowski. “Sim. Aí sim (é o caso de definir a data de julgamento para evitar desgaste). É o que estamos tentando. Definir uma data para que a formatação do julgamento se faça de uma vez por todas e, naturalmente, por modo adaptado às possibilidades do próprio relator do ponto de vista físico do ministro Joaquim”, disse Britto.

Saiba mais: Entenda as acusações contra cada um dos réus do processo

“O Judiciário está imune a esses dissensos. Tenho dito reiteradamente que nós somos experimentados em enfrentamento de situações de toda ordem. Isso não nos tira do eixo. Nós não perdemos o foco que o nosso dever de julgar todo e qualquer processo, inclusive esse chamado de mensalão, com objetividade, imparcialidade, serenidade, enfim atentos todos nós às provas dos autos”, reiterou.

Britto também negou haver crise institucional entre o Supremo e o executivo após a briga entre o ministro Gilmar Mendes e o ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva . Reportagem do jornal O Estado de São Paulo desta quarta-feira afirma que a presidenta Dilma Rousseff (PT) via a situação como “perigosa” . “De jeito nenhum. Não vejo por esse prisma de nenhum modo. O Supremo Tribunal Federal é sobranceiro, altivo, independente, consciente de sua função institucional. E não se afasta disso”, pontuou.

    Leia tudo sobre: mensalãosupremo tribunal federal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG