É preciso colocar pingos nos ‘is’, diz corregedora do CNJ sobre Lula e Mendes

Eliana Calmon defendeu atuação do ministro do STF em trazer à tona o encontro com o ex-presidente, mas acha que mensalão deve ser adiado

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

A corregedora nacional de Justiça, Eliana Calmon, defendeu nesta quarta-feira a atuação do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, no episódio do encontro no qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva o teria pressionado para adiar o julgamento do mensalão .

A corregedora, no entanto, defende que o caso seja julgado depois das eleições municipais, em um ambiente político mais tranquilo.

Revista: Lula teria procurado ministro do STF para adiar mensalão

Resposta: Lula confirma encontro com Mendes, mas nega interferência no STF

Eliana evitou fazer juízo de valor sobre quem está dizendo a verdade, mas disse considerar positivo o fato de Mendes ter trazido o fato à tona.“É preciso colocar os pingos nos ‘is’ pois ficou muita coisa no ar. Nessas horas a melhor coisa é a transparência, é quando as coisas vêm à tona, e isso está sendo feito pelo ministro Gilmar”, disse ela ao iG .

Gilmar Mendes: 'Estamos lidando com gângsteres', diz ministro do STF

Segundo ela, existe um movimento para tumultuar o julgamento, mas isso não deve prejudicar os trabalhos no STF. “Existem confusões reais e as que são feitas para atrapalhar, mas o Supremo é muito austero quanto a isso e tem dado reiteradas provas de que não se deixa influenciar”, afirmou.

Planalto: Dilma nega risco de crise institucional no caso Lula e Mendes

No entanto, ela considera o momento demais para um julgamento tão importante. “Fico preocupada com tantas intrigas e futricas. Além disso, este ano teremos eleições. Seria melhor que se julgasse este processo em um clima de mais tranquilidade”, disse ela.

Entenda o caso

A briga de versões entre Mendes e Lula começou após o primeiro, em reportagem da revista Veja desta semana, dizer que foi pressionado pelo ex-presidente para adiar o julgamento do mensalão. E, para tanto, Lula teria oferecido ao ministro do STF blindagem na CPI do Cachoeira por conta de uma viagem a Berlim que ele teria feito com o senador Demóstenes Torres (GO-sem partido), acusado de colocar o mandato a serviço do bicheiro. Mendes e Demóstenes negam qualquer irregularidade na viagem.

Para piorar o caso, Mendes ontem partiu para mais um ataque contra Lula . Disse que o ex-presidente opera como uma “central de informações” responsável por repassar boatos de gângsteres que plantam informações para desestabilizar a imagem do Supremo e conturbar o julgamento do mensalão.

Em nota, Lula confirmou o encontro com Mendes, mas negou interferência no STF . O ex-presidente também se disse indignado com a versão de que teria tentado pressionar o ministro. ‘Meu sentimento é de indignação’”, disse por meio de nota.

    Leia tudo sobre: lulamensalãogilmar mendesstfcpi do cachoeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG