Gurgel encaminha representação contra Lula para a primeira instância

Segundo a Procuradoria-Geral da República, como ex-presidente não tem mais foro privilegiado, ele será julgado no Distrito Federal

iG São Paulo |

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, anunciou nesta terça-feira, por meio da assessoria de imprensa do órgão, que a representação feita pelos partidos de oposição para investigar a denúncia de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria feito supostas pressões sobre o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes não será analisada pela PGR, mas em primeira instância.

Leia mais: Lula teria procurado ministro do STF para adiar julgamento do mensalão, diz revista

Leia também: Lula volta a Brasília em meio à polêmica sobre conversa com Gilmar Mendes

Repercussão: Sem citar Lula, Serra diz que pressão sobre o STF é 'indevida'

Ao iG, a PGR informou que, como Lula não possui mais foro privilegiado, Gurgel irá encaminhar o requerimento dos oposicionistas para a primeira instância. Caso o ex-presidente ainda ocupasse o mais alto cargo da República e tivesse a prerrogativa do foro, o caso seria analisado por Gurgel.

Ainda segundo a assessoria da PGR, o requerimento será encaminhado ao Ministério Público do Distrito Federal, já que a conduta supostamente ilícita teria ocorrido em sua jurisdição. O encontro entre Lula e Gilmar Mendes aconteceu no escritório do ex-ministro do STF e ex-ministro da Defesa Nelson Jobim.

Reportagem da revista “Veja” desta semana noticia que Lula teria oferecido “blindagem” a Mendes na CPI do Cachoeira caso o julgamento do mensalão não fosse realizado ainda este ano. Na última segunda-feira, o ex-presidente reagiu de forma peremptória e, por meio de nota oficial, negou qualquer pressão sobre o STF nesse sentido. Jobim também rechaçou o conteúdo da conversa revelado pela revista, enquanto Mendes confirmou suas declarações.

No requerimento protocolado por PSDB, DEM, PPS e PSOL junto à PGR, os oposicionistas alegam que Lula teria cometido tráfico de influência, corrupção ativa e coação.  

    Leia tudo sobre: lulagilmar mendesnelson jobimSTFmensalãocpi do cachoeira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG