Presidente do STF diz que chegou a hora de julgar o mensalão

Ayres Britto não quis dar sua opinião sobre encontro de Lula com o ministro Gilmar Mendes, mas afirmou que aguarda fala de Lula sobre o caso

AE |

selo

Independentemente da polêmica envolvendo o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro da Defesa e do Supremo Nelson Jobim, o presidente do STF, Carlos Ayres Britto, afirmou nesta segunda-feira que é chegada a hora do julgamento do maior escândalo do governo Lula, conhecido como mensalão. "Chegou a hora de julgar (o mensalão)", garantiu o ministro do STF, após participar do V Congresso Brasileiro da Indústria da Comunicação, na capital.

Leia também: Oposição denuncia Lula à Procuradoria Geral

Resposta: Em nota, Lula confirma encontro com Mendes, mas nega interferência no STF

Agência Brasil
Ayres Britto conversa no STF com o revisor da ação do mensalão, ministro Ricardo Lewandowski

A respeito da polêmica envolvendo o ministro Gilmar Mendes, o ex-presidente Lula e o ex-ministro Nelson Jobim, Ayres Britto limitou-se a dizer: "Foi um diálogo protagonizado por três agentes, dois desses agentes já falaram (Mendes e Jobim), falta o terceiro (Lula). Aguardemos a fala do terceiro". Segundo reportagem da revista "Veja" deste fim de semana, o ex-presidente Lula teria sugerido proteção a Gilmar Mendes, na CPI do Cachoeira, em troca do adiamento do julgamento do mensalão no STF, em encontro ocorrido no escritório de advocacia de Jobim.

Revista: Lula teria procurado ministro do STF para adiar mensalão

Repercussão: OAB cobra explicação de Lula sobre encontro com ministro do STF

Ainda sobre o julgamento do mensalão, Ayres Britto disse que ele será levado a julgamento assim que terminar o trabalho do ministro revisor deste processo, Ricardo Lewandowski. O presidente do Supremo lembrou que a corte já discute a logística e o cronograma do julgamento e afirmou que, a despeito de compreender a demanda da sociedade por esse julgamento, é "preciso que o processo ocorra sem predisposição para condenar ou absolver".

    Leia tudo sobre: ayres brittomensalão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG