OAB-SP defende Thomaz Bastos de críticas por ser advogado de Cachoeira

Órgão diz que ‘não se pode confundir advogado com cliente’ e que nada impede que um ex-ministro da Justiça advogue livremente

iG São Paulo |

A Ordem dos Advogados do Brasil, seção São Paulo (OAB-SP), defendeu em nota divulgada neste domingo o advogado e ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos das críticas por ser advogado do bicheiro Carlos Cachoeira, alvo de inquérito sob a acusação de operar rede de negócios que envolve jogos ilegais e corrupção. Quem assina a nota é o presidente da OAB-SP Luiz Flávio Borges D’Urso.

Thomaz Bastos: “Críticas vêm de gente que não entende ampla defesa”

Leia mais : Ex-diretor da Delta consegue liminar no STF para ficar em silêncio na CPI

Aécio Neves: Tucano diz que advogado de Cachoeira contribui com “cena patética”

Em entrevista ao iG , Thomaz Bastos afirmou não se importar com os comentários negativos . “São pessoas que tem uma compreensão diferente da minha do Estado de direito democrático, onde a defesa é tão importante quanto a acusação, e existe o princípio da presunção de inocência, do contraditório, do devido processo legal”, disse o advogado. “Eu fui advogado 46 anos, saí da advocacia para ser ministro durante quatro anos. Quando deixei o Ministério da Justiça, fiz uma quarentena espontaneamente e agora voltei a advogar normalmente, voltei a trabalhar. É um direito constitucional”, complementou.

Sobre os honorários pagos a Carlinhos Cachoeira, ele desconversa. “Essa é uma questão interna da minha relação com ele e não falo sobre isso. Eu tenho que dar satisfação é para a Receita Federal”. Até o valor dos honorários vem sendo alvo de especulações, fala-se em algo em torno de R$ 15 milhões, o que Thomaz Bastos não confirma.

Repercussão: Sem resultados, comissão vira palco de briga entre partidos

D’Urso, por meio de nota, afirma que “o papel do advogado é obrigatório e absolutamente indispensável para que se obtenha Justiça, além de que jamais se pode confundir o advogado com seu cliente”. Diz ainda que “o fato de o advogado Márcio Thomaz Bastos ter sido ministro da Justiça não lhe impede de agora advogar livremente, sem qualquer restrição legal, aliás, o que já ocorre com inúmeros outros colegas que ocuparam postos e cargos de destaque na política nacional”.

A nota reforça também que não é a primeira vez que a OAB-SP vem à público para “defender colegas hostilizados por parte de nossa sociedade, simplesmente porque patrocinaram causas antipáticas à opinião pública ou à parcela da mídia” e diz que em casos rumorosos como o de Cachoeira nem sempre “é claro para a sociedade que o advogado tem a missão de buscar um julgamento justo no interesse de seu cliente, com base no direito e nas provas”.

Leia a íntegra da nota:

EM DEFESA DA DEFESA

Como presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, secção de São Paulo, venho a público, diante das insistentes críticas dirigidas ao advogado Márcio Thomaz Bastos, em razão de sua atuação como defensor em casos de grande repercussão nacional, mais uma vez salientar que o papel do advogado é obrigatório e absolutamente indispensável para que se obtenha Justiça, além de que jamais se pode confundir o advogado com seu cliente.

O fato de o advogado Márcio Thomáz Bastos ter sido Ministro da Justiça, não lhe impede de agora advogar livremente, sem qualquer restrição legal, aliás, o que já ocorre com inúmeros outros colegas que ocuparam postos e cargos de destaque na política nacional, também como Ministros da Justiça, Secretários de Estado da Justiça, Secretários de Estado da Segurança Pública, dentre outros.

Diante de julgamentos de crimes de grande repercussão, quando o público em geral não admite ao acusado nem mesmo argumentos em sua defesa, imediatamente a opinião pública antagoniza o advogado que, para cumprir bem sua função, precisa enfrentar esse pré-julgamento sem temor, com total independência, apesar da incompreensão.

A história se repete mais uma vez. Foram centenas de vezes que, em nossas gestões à frente da OAB SP, viemos à público defender colegas hostilizados por parte de nossa sociedade, simplesmente porque patrocinaram causas antipáticas à opinião pública ou à parcela da mídia. Na grande maioria modestos e humildes advogados que sofreram a ira popular e o bombardeio de notícias que lhe censuravam o comportamento profissional, na capital e na maioria das vezes pelo interior do Estado.

O exemplo mais recente desses casos em que interviemos, foi o da advogada Ana Lucia Assad, que sofreu na carne a incompreensão e a cólera dirigida a seu cliente, sendo confundida com este, além de violada em suas prerrogativas profissionais. Nossa reação foi além das manifestações de solidariedade e esclarecimento à sociedade sobre o papel da defesa, compreendendo também desagravo público, assistência e a própria defesa da colega em juízo.

Como bandeira maior de nossas gestões na OAB SP, a defesa intransigente das prerrogativas profissionais dos advogados tem sido realizada diariamente por milhares de colegas que voluntariamente amparam os advogados ofendidos ou violados no exercício da profissão. Defender prerrogativas é defender cidadania. Por isso é que lutamos para aprovação do nosso projeto que criminaliza a violação às prerrogativas dos advogados.

Nesses casos rumorosos, o que nem sempre é claro para a sociedade é que o advogado tem a missão de buscar um julgamento justo no interesse de seu cliente, com base no Direito e nas provas.

Por mais grave que seja o crime imputado a alguém, o advogado tem o dever de promover sua defesa. Rui Barbosa foi incisivo ao afirmar que ninguém é indigno de defesa.

Tenho sempre lembrado que uma das referências históricas mais emblemáticas sobre a importância da missão do advogado é encontrada na frase de Napoleão Bonaparte, que dizia preferir cortar a língua dos advogados a permitir que eles a utilizassem contra o governo. Esse tipo de pensamento demonstra que a Advocacia confronta o autoritarismo e só prospera dentro do Estado Democrático de Direito.

O papel social e institucional do advogado é imprescindível nos regimes democráticos assegurando a todos os cidadãos a observância de seus direitos constitucionais e legais. Quem já foi acusado de algum ilícito e sofreu processo penal conhece a importância do trabalho da defesa, visando aclarar os fatos, superar as arbitrariedades e fazer triunfar a Justiça.

O advogado, insistimos, não pode ter sua figura confundida com a de seu cliente, não deve ser hostilizado pela opinião pública e pelas autoridades policiais ou judiciárias, ou ainda sofrer "linchamento moral" por parcela da mídia.

A sua atuação acontece no âmbito do devido processo legal. Ele deve garantir a ampla defesa e o contraditório ao acusado, observando o princípio da presunção de inocência, até final decisão judicial. O advogado não busca a impunidade do seu cliente, mas tem a obrigação de assegurar que lhe seja feita Justiça.

A profissão de advogado foi constitucionalizada na Carta Magna de 1988, reconhecendo o legislador a sua indispensabilidade à administração da Justiça e a inviolabilidade do advogado por atos e manifestações no exercício profissional.

Temos reiterado à sociedade que o advogado é como o padre, que abomina o pecado, mas ama o pecador. O advogado abomina o crime e deve amar sua missão de defender aqueles que a ele recorrem para ter um julgamento justo.

Dessa forma, a OAB SP mais uma vez vem a público, não só para prestar solidariedade ao colega atacado, mas para esclarecer à sociedade sobre essa indispensável missão, fazendo a Ordem a defesa pública da defesa, que acontece quer pelas mãos do festejado advogado Márcio Thomáz Bastos ou pelo mais humilde dos colegas, todos cumprindo papel da mesma relevância, com a mesma coragem e dignidade, em prol da Justiça.

São Paulo, 25 de maio de 2012
LUIZ FLÁVIO BORGES D'URSO
Presidente da OAB-SP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG